Presos vão confeccionar 320 mil máscaras para proteção contra coronavírus

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Desde terça-feira (24), reeducandos do sistema prisional do Estado auxiliam nas ações de prevenção ao novo coronavírus. A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) adquiriu insumos para produção de 320 mil máscaras descartáveis de proteção.

Inicialmente, duas unidades prisionais subordinadas à Coordenadoria da Região Noroeste (CRN) irão atuar no projeto: as penitenciárias “Cabo PM Marcelo Pires da Silva”, de Itaí, e “Dr. Sebastião Martins Silveira”, de Araraquara.    

A previsão é que sejam produzidas 26 mil peças por dia nas fábricas adaptadas especialmente para a produção das máscaras. Cerca de 200 presos, de penitenciárias masculinas e femininas, vão confeccionar as máscaras de proteção descartáveis para uso em procedimento simples (não-cirúrgicos). 

A Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel (Funap), vinculada à SAP, começou na terça-feira a confecção em oficinas nas Penitenciárias Femininas I e II de Tremembé. Só nessas fábricas, a produção diária será de 18 mil peças, com 121 máquinas trabalhando.

Ainda nesta semana, a Penitenciária Feminina de Tupi Paulista e a Penitenciária Masculina de Andradina também começam a fabricar as máscaras. Nas próximas semanas, em data a ser definida, serão instaladas fábricas nos presídios de Itaí e Araraquara.

HIGIENIZADAS 

As fábricas tiveram seu parque fabril adaptado para a confecção das máscaras. As oficinas foram higienizadas e foi criado um protocolo de entrada para garantir a higiene das peças, feitas em TNT duplo. O governo de São Paulo terá  despesa de R$ 0,80 por peça.  As máscaras serão vendidas a preço de custo.

Com Assessoria Foto: Ana Paula Igual/Funap

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes