Droga e celular são barrados de entrar em presídios da região

A eficiência dos agentes de segurança da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) mais uma vez, frustrou a entrada de materiais proibidos em unidades prisionais.

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Na sexta-feira (2), funcionários do Centro de Detenção Provisória (CDP) ”ASP Francisco Carlos Caneschi” de Bauru interceptaram maços de cigarro contendo maconha enviados via correspondência. O material, que seria destinado à um detento, foi enviado pelo seu pai.

Já no domingo (4), uma mulher, esposa de detento, foi impedida de entrar no presídio por carregar no corpo um aparelho celular escondido. O fato ocorreu às 7h30, quando o scanner corporal detectou objeto desconhecido na região vaginal. A mulher foi questionada pelas funcionárias e acabou confessando que escondia um invólucro emborrachado contendo um celular de aproximadamente 5 centímetros em suas partes íntimas. Ela foi encaminhada à uma sala separada e retirou o aparelho de forma voluntária. Penitenciária de Marília Flagrante ocorreu às 7h45.

Esposa de sentenciado foi barrada de entrar na penitenciária depois de passar pelo aparelho de scanner corporal, que detectou um objeto desconhecido em suas vestes. A mulher foi questionada por uma funcionária e encaminhada à uma sala reservada, onde acabou entregando um pacote com aproximadamente 147,38 gramas de maconha e 79,85 gramas de cocaína.

De acordo com a visitante, o material seria entregue ao seu esposo. Em todos os casos, a Polícia Militar foi acionada para lavrar o boletim de ocorrência. Também foi instaurado Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade dos presos que receberiam os materiais proibidos. A SAP informa que visitas flagradas tentando adentrar com objetos ilícitos em unidades prisionais são automaticamente suspensas do rol de visita.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes