Corregedoria da PM apura torturas em “guerra às drogas” em Botucatu e Laranjal Paulista

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo investiga uma denúncia, feita à Ouvidoria das Polícias por um soldado, de que comandantes que atuam na região de Botucatu e Laranjal Paulista teriam ordenado uma “guerra às drogas”, mandando seus subordinados torturarem e matarem dependentes químicos.

A denúncia foi recebida pelo ouvidor Júlio César Neves, na última sexta-feira (17), e foi encaminhada ao delegado diretor da área, ao Ministério Público e à Corregedoria da PM.

Os órgãos já investigam o caso. De acordo com denúncia apresentada, o soldado dá exemplos de tortura e homicídios praticados por policiais a mando de um coronel e um major da Polícia Militar.

Em 8 de março, uma pessoa não identificada foi morta em um suposto tiroteio com PM’s em Laranjal Paulista. Um posto de gasolina foi roubado e a polícia acionada. Em uma rua de terra, o homem com um objeto na mão, teria sido morto após trocar tiros com os policiais, segundo os soldados.

O objeto suspeito era um colete à prova de balas, de uma empresa de segurança privada. O rapaz levava consigo cocaína. O PM que ligou para a Ouvidoria diz que os policiais executaram o rapaz por ordem dos comandantes.

Já em 15 de março, um auxiliar de serviços gerais afirma ter sido agredido e queimado com ferro de passar roupa por agentes que invadiram sua casa, em Botucatu, à procura de traficantes.

O rapaz teve queimaduras nas coxas e no ombro esquerdo. De acordo com o policial que fez a denúncia, a prática foi a mando dos comandantes.

O Neves recebeu a denúncia com preocupação. “Tortura não existe nem na guerra. A PM existe para proteger, não para praticar crimes.”

INVESTIGAÇÃO

A SSP (Secretaria da Segurança Pública, sob gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), afirma que a Corregedoria da PM vai instaurar inquérito assim que o ofício da Ouvidoria chegar, mas que já tem ciência do caso. A Polícia Civil também vai apurar as denúncias.

Os casos de tortura e morte denunciados pelo soldado em Botucatu e Laranjal Paulista já estão sendo investigados, por meio de inquérito instaurado pela Polícia Civil, diz a pasta.

Fonte: Folha de SP

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes