24 de junho, 2024

Últimas:

Quênia investiga seita que incentivou jejum para ‘conhecer Jesus’; 47 morreram

Anúncios

Outros 26 corpos foram exumados no leste do Quênia neste domingo (23), elevando para 47 o número de cadáveres encontrados pela polícia em três dias, em uma investigação sobre a morte de seguidores de uma seita religiosa, informou a polícia à AFP.

“Hoje [domingo], exumamos 26 corpos, o que eleva o número total para 47”, declarou Charles Kamau, chefe de investigações criminais do subcomitê de Malindi (leste do País), que acrescentou que as buscas continuam.

Anúncios

Na semana passada, as autoridades encontraram os corpos de quatro adeptos da Igreja Internacional da Boa Nova (Good News International Church, em inglês), dirigida por Makenzie Nthenge, que teria incentivado seus seguidores a jejuar para “conhecer Jesus”.

Membros da seita teriam feito jejum até morrer. Corpos estavam em vala comum. (Foto: Reprodução)

Os investigadores chegaram à região após uma denúncia que apontava a existência de uma possível vala comum. Contudo, muitos adeptos da seita ainda estão escondidos em uma área de mata.

Anúncios

Uma mulher foi encontrada neste domingo (23) pelas autoridades com os olhos esbugalhados e recusando-se a ingerir alimentos, antes de ser transferida em uma ambulância.

Outros 11 fiéis, sete homens e quatro mulheres de entre 17 e 49 anos, foram hospitalizados na semana passada após receberem ajuda na região de mata conhecida como Shakahola.

O líder da seita, Makenzie Nthenge, compareceu à polícia em 15 de abril, antes de ser detido.

Uma fonte policial afirmou que Nthenge iniciou uma greve de fome e que “está orando e jejuando” enquanto permanece preso. Segundo a imprensa local, seis seguidores de Makenzie Nthenge também foram detidos.

Em um relatório, a polícia indicou que recebeu informações sobre várias pessoas “mortas de fome com o pretexto de conhecer Jesus depois que um suspeito, Makenzie Nthenge, pastor da Igreja Internacional da Boa Nova, fez nelas uma lavagem cerebral”.

De acordo com a mídia local, Makenzie Nthenge tinha sido detido e indiciado no mês passado depois que duas crianças morreram de fome enquanto estavam sendo cuidadas por seus pais. No entanto, ele pagou uma fiança de 100.000 xelins quenianos (cerca de R$ 3,7 mil) e foi liberado.

Fonte: Agências

Talvez te interesse

Últimas

Um dos títulos traz informações para quem atua na direção de negócios e o outro aborda o impacto da gestão...

Categorias