Plâncton “monstruoso” pode explicar extinção em massa na Terra

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Há 420 milhões de anos a Terra viveu uma de suas maiores extinções em massa. Praticamente todos os seres vivos que existiam no planeta naquela época desapareceram e as causas até hoje não são bem explicadas.

Um estudo publicado na Nature Communications, porém, pode mudar esse panorama. A teoria proposta após pesquisa é de que a extinção teria sido causada por dois fatores preponderantes: esgotamento de oxigênio nos oceanos e presença de metais nocivos nas águas.

Se bem aceita, essa nova proposta iria totalmente na contramão do que se acredita, de que mudanças climáticas e eventos glaciais haviam causado a extinção. Os novos estudos têm como base a pesquisa em torno de um plâncton específico, encontrado no meio de fósseis na Líbia.

Estudando o ser vivo em questão, os cientistas descobriram más formações que coincidiam com altas concentrações de metais como chumbo, cobre, alumínio e manganês. Essa mudança teria sido crucial para a extinção em massa.

A explicação dos cientistas, que basearam seus estudos na Bélgica, mais especificamente na Universidade de Gante, é que esses metais teriam envenenado a água no oceano, afetando inicialmente os plânctons para, depois, afetar outros seres vivos.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes