Papa critica Páscoa de guerra em missa com participação de ex-refém das tropas russas

O Papa Francisco focou seu discurso de Páscoa neste domingo (17), o dia mais importante do calendário litúrgico cristão, na crítica aos ataques da Rússia na Ucrânia, que ele chamou de “cruel e sem sentido”.

Em sua tradicional mensagem Urbi et Orbi, o pontífice dedicou a maior parte do seu discurso à guerra na Ucrânia. Ele comparou a “incredulidade” diante das cenas da guerra com o choque de apóstolos citado na Bíblia com o retorno de Jesus.

“Nossos olhos também estão incrédulos nesta Páscoa de guerra. Todos vimos sangue demais, violência demais”, declarou Francisco, que falou para cerca de 50 mil pessoas na praça São Pedro.

Papa Francisco falou para cerca de 50 mil pessoas na praça São Pedro, que teve público pela primeira vez em dois anos — Foto: Reuters
Papa Francisco falou para cerca de 50 mil pessoas na praça São Pedro, que teve público pela primeira vez em dois anos (Foto: Vaticabno)

Este foi o primeiro ano, desde 2019, em que a presença de público foi permitida.

Prefeito ucraniano

Papa cumprimenta Ivan Fedorov, o prefeito de Mariupol que foi sequestrado por forças russas e libertado após troca de prisioneiros — Foto: Vaticano/ via Reuters
Papa cumprimenta Ivan Fedorov, o prefeito de Mariupol que foi sequestrado por forças russas e libertado após troca de prisioneiros (Foto: Vaticano)

Entre os assistentes da missa, estava o prefeito da cidade ucraniana de Melitopol, Ivan Fedorov, que no mês passado foi sequestrado por forças russas e libertado depois de uma troca de prisioneiros. Ele foi levado por soldados russos que entraram na sede da prefeitura da cidade em meados de março, e uma câmera de segurança registrou a ação.

O Papa tem endurecido as críticas à Rússia em seus discursos. Ele também já se referiu diretamente ao presidente russo, Vladimir Putin.

Fonte: G1