Palmeiras acerta novo empréstimo de Miguel Borja ao Junior, da Colômbia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O Palmeiras acertou a renovação do empréstimo do atacante Miguel Borja para o Junior, da Colômbia. Agora ele ficará cedido ao clube de Barranquilla, onde atuou na última temporada, até o dia 30 de junho.

O Junior pagará integralmente os salários do atacante. Com essa negociação, a diretoria aposta em uma valorização do jogador, sobretudo com uma possível convocação para a Copa América, para conseguir revendê-lo e reaver parte do valor investido em sua contratação, em 2017.

Inclusive, há uma cláusula no acordo que obriga o Junior a liberar o jogador em caso de uma proposta. O clube terá o direito de igualar essa oferta, mas se não o fizer, ele será vendido sem nenhum impedimento.

Se Borja não for vendido antes, o Palmeiras pode, até março, renovar de maneira unilateral o contrato com o atacante por mais um ano. Isso se repetiria em março de 2022, com uma renovação automática até 2023.

A medida é para o colombiano não sair de graça de graça antes de 2023 e o clube ter mais tempo para tentar a venda – o atual vínculo acaba no fim deste ano.

Diferentemente do empréstimo realizado no ano passado, não há metas estipuladas para o jogador atingir em campo e ser comprado automaticamente pelo Junior.

O clube de Barranquilla postou em suas redes sociais um vídeo e uma foto anunciado o acerto para a renovação com o jogador. O próprio Borja também divulgou a novidade.

Junior anuncia permanência de Borja — Foto: Reprodução
Junior anuncia permanência de Borja (Foto: Reprodução)

Após o fim do primeiro empréstimo, cogitou-se a possibilidade de o atacante retornar ao Palmeiras, sobretudo por uma parte da torcida. Porém, a ideia do clube sempre foi conseguir uma nova negociação.

Em 2017, o Verdão comprou 70% dos direitos econômicos do jogador por 10,5 milhões de dólares (cerca de R$ 34 milhões, na cotação da época), com investimento da Crefisa. Há três meses, os palmeirenses entraram em acordo com o Atlético Nacional pelos 30% restantes dos direitos.

O primeiro contrato previa o pagamento de mais 3 milhões de dólares aos colombianos caso o atacante não fosse vendido pelo Verdão até agosto de 2019. Após o Atlético Nacional abrir processo na Fifa, os brasileiros acertaram o pagamento em seis parcelas de 500 mil dólares.

Fonte: G1 – Foto: Conmebol

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes