O poker é um jogo de sorte? 5 fatos que contrariam este mito

A categoria de ‘jogos de sorte’ é muito ampla e é normalmente utilizada para fazer referência a jogos de cassino como a roleta ou o bingo. Durante muitos anos, o rótulo também foi aplicado para descrever o poker, que muitos ainda interpretam como sendo um jogo de sorte. O preconceito relativo ao poker é praticamente tão antigo quanto o jogo em si, que surgiu nos Estados Unidos durante o século 19.
Mas faz sentido continuar a pensar no poker como uma atividade arbitrária, em que a habilidade dos jogadores desempenha um papel mínimo ou praticamente nulo? A questão continua a ser polêmica e a motivar aguerridas discussões em fóruns online. Mas na verdade, o poker já se estabeleceu há muitos anos como um jogo de estratégia e habilidade. Estes 5 fatos desmentem de forma convincente a velha noção do poker enquanto um jogo de sorte.

1. Previsões matemáticas em tempo real

Quase todos os jogos de sorte envolvem uma componente matemática. Basta pensar na loteria para perceber que mesmo o exemplo mais extremo de um jogo de sorte pode ser definido de acordo com probabilidades. Mas a matemática do poker não é semelhante à matemática da loteria ou da roleta. Afinal, as previsões matemáticas do poker acontecem em tempo real e são determinadas de acordo com as informações dispostas na mesa de jogo e na mão do jogador a cada instante.
Um dos utensílios fundamentais para um bom jogador de poker é por isso um calculador automático de probabilidade. O blog do site de poker 888, por exemplo, disponibiliza um poker odds calculator acessível e 100% em português. Este acessório pode ajudar jogadores de poker a tomar melhores decisões na mesa de jogo, mas as probabilidades não permitem determinar o desfecho de uma jogada com certeza absoluta. É essa a grande diferença entre o poker e outros jogos de natureza matemática que incluem probabilidades absolutas e imutáveis.

2. O poker é um esporte da mente há mais de 10 anos

Em 2010, a IMSA (Associação Internacional de Esportes da Mente) deliberou acerca do poker e acabou por concluir que o jogo de cartas tem tudo para ser considerado um esporte da mente. Podemos por isso dizer com segurança que o poker é oficialmente um esporte de habilidade. A IMSA tutela outros esportes da mente, como o xadrez ou o bridge, e não teve problema em incluir o poker no seu catálogo.
A noção do poker enquanto esporte da mente levou a que o poker fizesse parte das competições organizadas pela IMSA, e até quem fale num futuro olímpico para o poker! Este fato ajuda a explicar por que o poker é um jogo de habilidade legítimo comparável ao xadrez. Pode ser apenas uma atribuição institucional, mas não deixa de ser um fato que contraria de forma assinalável a noção do poker enquanto um jogo de sorte.

3. A maior parte das mãos de poker não chega ao fim

Uma das maiores evidências de que o poker é um jogo de habilidade é o fato de que a maior parte das mãos de poker não chega ao fim. Enquanto que os jogos de sorte são habitualmente determinados pelo resultado, a maior parte das partidas de poker depende da habilidade dos jogadores. Um bom jogador de poker sabe quando perdeu uma mão, e um talentoso jogador de poker sabe como convencer o seu adversário a desistir de uma mão potencialmente superior. Se o poker fosse realmente um jogo de sorte, seria impossível explicar por que tantas partidas de poker terminam com a desistência de um ou mais jogadores.

4. Campeões consistentes

Uma análise ao comportamento de vários jogadores de poker permitiu determinar que cada jogador obtém resultados relativamente consistentes na mesa de jogo. Isto quer dizer que é possível ser um bom ou mau jogador de poker. Se o poker fosse um jogo de sorte, isto não aconteceria: afinal, você conhece algum bom jogador de loteria?
Se a habilidade não fizesse parte do poker, não seria possível nomear grandes campeões da modalidade como Doyle Brunson ou o brasileiro André Akkari. No entanto, o poker conta com vários craques que se destacam de forma consistente no panorama internacional. Por este motivo, o poker encontra-se mais próximo de ser um esporte do que um jogo de sorte.

5. Um jogo de inteligência emocional

Numa análise mais esotérica, é também possível concluir que o poker é um jogo de habilidade porque lida com emoções humanas. Basta olhar para as melhores mãos do jogador profissional canadiano Daniel Negreanu para perceber que a inteligência emocional desempenha um papel fundamental no desfecho de uma partida de poker. Não é por acaso que os especialistas do poker utilizam dados para analisar a metodologia dos seus adversários e tentar fazer previsões acerca do seu comportamento. Se o poker fosse um jogo de sorte, fazê-lo seria inútil e inconsequente.

Scroll Up