Nova ministra da Saúde assume na Argentina após escândalo das vacinas

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Carla Vizzotti (foto) assumiu neste sábado (20) como ministra da Saúde da Argentina no lugar de Ginés González García, que renunciou na sexta-feira após a revelação de que alguns de seus amigos próximos foram vacinados contra a covid-19 de forma irregular.

Em uma transmissão breve nos canais locais, o presidente argentino Alberto Fernández empossou Vizzotti como a novo chefe da pasta de Saúde por volta das 18h locais (17h no horário de Brasília) na residência presidencial de Olivos. Não houve depois declarações ou respostas à imprensa.

Vizzotti, de 48 anos, uma especialista em medicina clínica que até então era secretária de Acesso à Saúde – função em que se destacou ao obter a vacina russa Sputnik V para a Argentina – assumiu o posto de González, que renunciou a pedido do presidente.

“Respondendo a seu pedido expresso, apresento-lhe minha renúncia ao cargo de ministro da Saúde”, escreveu González García em carta enviada ao presidente nesta sexta.

A gestão do ex-ministro de 75 anos, que já tinha estado à frente da pasta durante o governo de Néstor Kirchner (2003-2007), foi manchada pelas vacinações “privilegiadas” na sede do Ministério da Saúde.

A revelação aconteceu no mesmo dia em que a cidade de Buenos Aires disponibilizou a solicitação de agendamentos online para a imunização de pessoas com mais de 80 anos a partir da próxima segunda-feira, sistema que entrou em colapso quase de imediato devido à enorme demanda.

O escândalo estourou depois que o jornalista Horacio Verbitsky disse em um programa de rádio que, graças à sua longa amizade com o ministro, conseguiu se vacinar em seu gabinete, causando uma onda de reações nas redes sociais com a hashtag #vacunasvip (vacinas vip).

Além de Verbitsky, outras pessoas próximas ao governo se vacinaram no Ministério da Saúde, segundo a imprensa local.

O Ministério Público, por meio da Procuradoria de Investigações Administrativas (PIA), abriu um inquérito para apurar essas irregularidades, indicou a mídia argentina.

O país, com 44 milhões de habitantes, acumula mais de dois milhões de infecções pela covid-19 e ultrapassa as 51 mil mortes.

Até o momento, a Argentina recebeu 1,22 milhões de doses da Sputnik V e 580 mil da Covishield, vacina do Serum Institute of India.

O plano de imunização argentino inclui ainda vacinas da Oxford/AstraZeneca e de outros contratos, inclusive por meio do mecanismo de cooperação internacional Covax, totalizando 62 milhões de doses.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes