Trump adia reunião com primeira-ministra dinamarquesa por ela se recusar a vender Groenlândia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta terça-feira (20) que vai adiar uma reunião com a primeira-ministra da Dinamarca, prevista para dentro de duas semanas, devido a falta de interesse da dirigente europeia em vender a Groenlândia.

“Baseado nos comentários da primeira-ministra Mette Frederiksen sobre o fato de não ter nenhum interesse em discutir a venda da Groenlândia, adiarei para outro momento nossa reunião prevista para dentro de duas semanas”, postou no Twitter o presidente dos EUA.

No domingo, Frederiksen disse que a ideia de Trump era “uma discussão absurda”. Outros ministros do país também já haviam criticado a intenção do presidente americano.

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen — Foto: Tobias Schwarz / AFP
A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen (Foto: Reprodução)

“A Groenlândia não está à venda. A Groenlândia não é dinamarquesa. A Groenlândia pertence à Groenlândia. Espero sinceramente que essa proposta não seja feita a sério”, disse Frederiksen ao jornal “Sermitsiaq”.

Frederiksen afirmou também que o Ártico, com recursos que a Rússia e outros poderiam explorar para obter ganhos comerciais, “está se tornando cada vez mais importante para toda a comunidade mundial”.

O degelo na ilha poderia revelar recursos petrolíferos e minerais na Groenlândia que, se explorados, poderiam mudar o futuro do lugar.

Casas iluminadas em Tasiilaq, na Groenlândia — Foto: Felipe Dana/AP
Casas iluminadas em Tasiilaq, na Groenlândia (Foto: Reprodução)

Interesse

O assunto surgiu pela primeira vez na imprensa em 15 de agosto, quando o “Wall Street Journal” noticiou que Donald Trump consultou seus assessores sobre a possibilidade de os Estados Unidos comprarem o território dinamarquês autônomo. O presidente tem curiosidade sobre os recursos naturais e a relevância geopolítica da área, disse o jornal.

O americano expressou interesse no lugar – que tem 85% da superfície coberta por gelo -, perguntando a seus conselheiros se era possível que os Estados Unidos o adquirissem, disse o jornal, citando pessoas que sabem dessas deliberações.

Duas fontes familiarizadas com a situação disseram à Reuters que a ideia havia sido tomada por alguns conselheiros como uma piada, mas levada a sério por outros na Casa Branca.

Alguns conselheiros de Trump acreditam que adquirir a Groenlândia pode ser benéfico para os Estados Unidos, enquanto outros consideram a ideia um “fascínio efêmero” do presidente, afirmava o “Wall Street Journal”.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes