Observatório do Chile apresenta espectrógrafo para buscar vida extraterrestre

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O Observatório Paranal (foto), no norte do Chile, apresentou nesta sexta-feira o Espresso, um espectrógrafo de última geração que permitirá detectar planetas com precisão sem precedentes e que ajudará os astrônomos a buscarem vida extraterrestre.

Encontrar vida em outro planeta é um de nossos objetivos fundamentais. Ao detectar planetas mais leves e similares à Terra, que é um dos mais leves, isto nos ajudará a observar condições similares às nossas”, afirmou hoje o astrônomo Gaspare Lo Curto, do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês).

O Espresso está instalado no Observatório Paranal, no deserto do Atacama, para aproveitar a luz dos quatro telescópios gigantes do VLT (Very Large Telescope).

Atualmente, o equipamento está em fase de testes e está previsto que comece a funcionar em outubro, explicou Lo Curto.

O espectrógrafo pode marcar um antes e um depois na observação astronômica ao permitir a detecção de exoplanetas – planetas que orbitam ao redor de uma estrela fora do Sistema Solar – com caraterísticas similares à Terra com precisão e detalhes nunca vistos até agora.

O espectrógrafo tem capacidade de receber luz dos quatro telescópios do VLT ao mesmo tempo, convertendo-se num telescópio gigante de 16 metros de diâmetro.

O novo instrumento utiliza o método de velocidade radial para detectar os exoplanetas, que consiste na medição do movimento de uma estrela quando esta tem um planeta em órbita.

O método permite obter informações do exoplaneta como sua atmosfera, se esta conta com oxigênio, dióxido de carbono e água, elementos necessários para a vida, detalhou o astrônomo da ESO.

Lo Curto destacou que atualmente há muitos espectrógrafos tentando detectar exoplanetas com a tecnologia da velocidade radial, mas nenhum deles tem a precisão do Espresso, que permite observar dez centímetros por segundo nas estrelas.

Um dos principais desafios para os astrônomos é distinguir se os sinais que os telescópios recebem provêm de uma estrela ou de um planeta.

Por isso, a ESO lançará nas próximas semanas um projeto paralelo ao desenvolvimento de Espresso no Observatório La Silla, também no norte do Chile, com o objetivo de “entender melhor as estrelas e distinguir seus sinais de forma mais precisa”, explicou Lo Curto.

Nesse projeto, os astrônomos utilizarão o espectrógrafo Harps, que era o mais preciso de seu tipo até o surgimento de Espresso, para observar o Sol de dia com o objetivo final de avançar na detecção de planetas.

 

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes