Gerentes da DirecTV detidos na Venezuela são acusados de “fraude”

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Três executivos da empresa de televisão por satélite DirecTV detida na Venezuela são acusados de “fraude”, entre outros crimes, informou o tribunal nesta terça-feira, depois que as operações da empresa no país foram interrompidas.

Um tribunal emitiu “medida cautelar” contra os ex-gerentes por suposta “co-autoria” em “crimes de fraude agravada”, “boicote”, “desestabilização da economia” e “associação para cometer crimes”, disse uma nota divulgada pelo Supremo Tribunal de Justiça (TSJ).

Segundo a lei venezuelana, as multas por fraude variam de um a cinco anos de prisão.

Héctor Rivero, Carlos Villamizar e Rodolfo Carrano, que se entregaram à justiça na semana passada, estão detidos na sede do serviço de inteligência venezuelano (SEBIN) em Caracas, segundo a defesa.

A empresa americana AT&T, dona da DirecTV, considerou a prisão dos “ex-executivos” “surpreendente e inexplicável”, afirmando que “eles não estavam envolvidos na decisão de fechar as operações da empresa”.

“Essa decisão foi tomada pelos executivos da AT&T nos Estados Unidos, sem o conhecimento ou a participação dessas pessoas ou de qualquer outro ex-funcionário venezuelano”, afirmou a empresa em comunicado.

Os mandados de prisão foram emitidos quase três semanas depois que a AT&T anunciou em 19 de maio sua retirada “imediata” do mercado de TV paga na Venezuela.

A empresa explicou que as sanções econômicas do governo Donald Trump contra a Venezuela, que buscam sufocar o presidente socialista Nicolás Maduro, proíbem transmitir os sinais da estação de televisão privada Globovisión e do canal da estatal Petróleos de Venezuela, PDVSA TV.

No entanto, acrescentou a AT&T, a transmissão de ambos os canais é exigida pela licença concedida pelo governo Maduro para fornecer serviço de TV paga.

Três dias após a decisão da AT&T, o TSJ pró-governo ordenou a aquisição “imediata” das instalações e equipamentos da empresa.

Com quase 2 milhões de assinaturas, segundo dados da Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel), o fim das operações afeta cerca de 6,5 milhões de venezuelanos.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes