França admite sistema de tortura durante guerra da Argélia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O presidente francês, Emmanuel Macron (foto), reconheceu nesta quinta-feira (13) que a França instaurou um “sistema” que resultou em atos de “tortura” durante a guerra de independência da Argélia (1954-1962), um assunto sensível e fonte de feridas que ainda não cicatrizaram na sociedade francesa.

O chefe de Estado francês entregou uma declaração neste sentido à viúva do matemático Maurice Audin, um militante comunista pró-independência que desapareceu em 1957. Ele “morreu sob a tortura derivada do sistema instaurado enquanto a Argélia era parte da França”, indica a declaração, na qual o presidente pede perdão.

“É importante que essa história seja conhecida, que seja vista com coragem e lucidez. Traz apaziguamento e serenidade para aqueles que ela machucou (…) tanto na Argélia quanto na França”, disse Macron.

O presidente também prometeu a abertura dos arquivos sobre o tema dos desaparecidos civis e militares, franceses e argelinos. Paris e Argel mantém relações íntimas e complicadas por causa da história colonial e as migrações entre os dois países.

O Estado francês nunca admitiu de maneira oficial o uso de tortura por parte de suas Forças Armadas durante o conflito, no qual quase 1,5 milhão de argelinos morreram.

A questão, ainda que amplamente documentada, continua sendo um assunto muito sensível e o recurso à tortura, ainda que conhecido, continua sendo um tabu na história oficial.

Os franceses que precisaram fugir da Argélia (os “pés pretos”), os combatentes argelinos que lutaram pela França e que depois foram abandonados por estes últimos (os harkis), famílias de desaparecidos sequestrados por franceses ou argelinos, jovens recrutas jogados na guerra, entre tantas outras feridas que marcaram a sociedade francesa.

“Uma linha vermelha é cruzada com o reconhecimento da tortura através do emblemático caso de Maurice Audin. Emmanuel Macron está mais próximo do trabalho dos historiadores que estabeleceram os fatos há muito tempo”, apontou à AFP o historiador Patrick Garcia, especialista em memória.

O governo argelino elogiou um “avanço” do governo francês. O ministro dos veteranos de guerra, Tayeb Zitouni, considerou na televisão Ennahar TV que “o dossiê da memória entre a França e a Argélia será tratado sabiamente pelos dois países”.

Audin, matemático e auxiliar universitário, foi preso em 1957 durante a batalha de Argel e torturado durante várias ocasiões no bairro de El Biar. Era suspeito de abrigar integrantes de um grupo armado do Partido Comunista Argelino.

A razão oficial para o desaparecimento informada a sua viúva, Josette Audin – a de que Maurice Audin fugiu durante uma transferência -, foi mantida até 2014, quando o ex-presidente francês François Hollande desmentiu a versão e reconheceu que o matemático morreu quando estava em detenção.

O jornalista Jean-Charles Deniau afirma em um livro que Audin, que tinha 25 anos, foi assassinado por ordem do general francês Jacques Massu.

Villani estabeleceu um paralelo entre a decisão da administração Macron e o reconhecimento, por parte da presidência de Jacques Chirac, do papel desempenhado pela França durante o Holocausto.

Ele destacou um “momento de verdade, cujo objetivo não é fazer acusações sem distinção, e sim encarar a história e convidar todos a falar e a curar as feridas”.

 

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes