Contra 4º mandato de Evo Morales como presidente, manifestantes fecham ruas na Bolívia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Manifestantes fecharam ruas da capital La Paz e outras cidades de três estados na Bolívia nesta quarta-feira (21) contra nova candidatura de Evo Morales à presidência. O político tenta o quarto mandato consecutivo.

Os protestos se concentraram em bairros residenciais de classe média alta em La Paz, Cochabamba e Tarija. Na fronteira com o Brasil, os manifestantes fecharam a ponte que liga Guajará-Mirim (em Rondônia) e a cidade boliviana de Guayaramerin.

Manifestantes fecham rua de La Paz em protesto contra possível 4º mandato de Evo Morales na Bolívia — Foto: Aizar Raldes/AFP
Manifestantes fecham rua de La Paz em protesto contra possível 4º mandato de Evo Morales na Bolívia (Fotos: Reprodução)

No entanto, as lideranças do protesto esperavam uma greve nacional maior. Seis regiões bolivianas decidiram não aderir.

Em uma delas, Santa Cruz, a manifestação não ocorreu porque um incêndio florestal consome 600 mil hectares de seu território, informou o Comitê Cívico Pró-Santa Cruz.

Apesar da baixa adesão, os líderes do movimento aplaudiram os protestos. “É uma greve que se fez sentir, com a força necessária”, disse o ativista Waldo Albarracín, diretor do Conselho Nacional de Defesa da Democracia (Conade) e reitor da Universidade Estadual de La Paz.

‘Um fracasso’, diz ministro sobre greve

Presidente da Bolívia, Evo Morales, vota em eleições primárias em Chapare, em janeiro — Foto: Courtesy of Bolivian Presidency/ Reuters
Presidente da Bolívia, Evo Morales, vota em eleições primárias em Chapare, em janeiro (Foto: Divulgação)

O governo boliviano minimizou os protestos, principalmente pela baixa adesão. O ministro da Comunicação da Bolívia, Manuel Canelas, afirmou que o movimento fracassou.

“Acreditamos que a greve foi um fracasso, os relatórios que nos enviaram, as imagens que vimos (…) mostram que tinha um trânsito livre e um desenvolvimento normal”, avaliou.

O Conade convocou uma nova greve a partir de 10 de outubro. Os detalhes da paralisação não foram definidos.

Três pesquisas apontam Morales como primeiro colocado nas intenções de votos para as eleições de 20 de outubro.

A oposição acusa o governo de desconsiderar o resultado de um referendo de fevereiro de 2016, em que os eleitores rejeitaram a possibilidade de Morales se candidatar a um novo mandato.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes