Comissária sobrevivente da tragédia da Chapecoense protesta contra Evo Morales

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A boliviana Ximena Suarez, de 31 anos, uma das seis pessoas que sobreviveram à queda do avião da Chapecoense em 2016, se juntou aos manifestantes que protestam contra a eleição do quarto mandato de Evo Morales. O protesto que chegou ao 15º dia, ganha força por todo o país e nesta terça-feira (5), prédios púbicos foram cercados como uma forma de pressionar o governo.

Desde sexta-feira passada (1º), grupos de manifestantes na Bolívia estão se posicionando também contra o segundo colocado nas eleições presidenciais do país, Carlos Mesa. Esses manifestantes chegam a propor uma nova eleição em que seja proibida a participação dos dois candidatos mais votados. Os protestos por essa proposta se concentraram em La Paz e em Cochabamba.

Houve, ainda, manifestantes da oposição que concordaram em não esperar a auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA) e apoiar uma nova eleição sem Evo, mas com Mesa. O presidente rechaçou a ideia. Evo Morales prometeu apoiar um segundo turno com Mesa caso se comprove a fraude denunciada por opositores.

“Vamos defender a democracia e os resultados”, afirmou Evo Morales em discurso em Cochabamba, segundo a agência France Presse. Morales disse que bolivianos devem esperar o relatório da auditoria da OEA, que deve ficar pronto em duas semanas, um sinal de que pensa que lhe será favorável para selar um novo mandato até 2025.

A comissária de bordo que sobreviveu ao acidente com o voo da Chapecoense se manifesta totalmente contra a reeleição de Morales. Ela diz que as manifestações são uma forma do povo boliviano expressar seu descontentamento com o processo eleitoral e com a nova reeleição de Morales. “A vontade do povo, foi violada nas eleições realizadas em 20 de outubro”, argumenta.

Centro de Santa Cruz de La Sierra é tomado por manifestantes que não aceitam reeleição de Morales. — Foto: Ximena Soarez/Arquivo pessoal
Centro de Santa Cruz de La Sierra é tomado por manifestantes que não aceitam reeleição de Morales (Fotos: Reprodução)

“Queremos democracia! Estamos lutando por um país melhor e não queremos que a nossa Bolívia se torne uma Venezuela”, afirmou Ximena, fazendo referência a outra nação sul-americana que enfrenta grave crise política.

De acordo com a aeromoça, as manifestações são pacíficas e a cada dia cresce a participação popular.

Manifestantes com bandeiras protestam em La Paz nesta sexta-feira (1º) contra resultado de eleições na Bolívia — Foto: Aizar Raldes/AFP
Manifestantes com bandeiras protestam em La Paz na sexta-feira (1º) contra resultado de eleições na Bolívia (Foto: Reprodução)

Conforme Ximena, o presidente do Comitê Cívico em Santa Cruz de La Sierra, Luis Fernando Camacho, chegou a fazer uma carta de renúncia para o presidente Evo Morales assinar.

Ele viajou de Santa Cruz de La Sierra para La Paz, para tentar entregar o documento e convencer Morales a assiná-lo, mas foi impedido de desembarcar no aeroporto da capital boliviana e está retornando para sua cidade.

“Nós não reconhecemos e nem acreditamos no resultado final dessas eleições. Não vamos desistir até que ele [Evo Morales] renuncie. Isso é inconstitucional e queremos um futuro melhor para todos os bolivianos”, explicou.

A aeromoça ainda reforça os reflexos dos protestos na região. O setor do comércio funciona somente das 6h até o meio-dia. Depois tudo fecha. O transporte público para e os carros são impedidos de trafegar na rua. Para se locomover, as únicas alternativas que restam são andar a pé ou de bicicleta.

Ximena Suárez com uniforme da companhia aérea boliviana Amaszonas durante treinamento — Foto: Reprodução/Facebook
Ximena Suárez com uniforme da companhia aérea boliviana Amaszonas durante treinamento (Foto: Reprodução/Facebook)

Ximena Soarez ficou mundialmente conhecida após ser uma das poucas sobreviventes da tragédia do dia 28 de novembro de 2016, quando o avião da empresa aérea LaMia que levava a delegação da Chapecoense para cidade de Medellín, na Colômbia, caiu com 77 pessoas à bordo, sendo que 71 delas morreram e apenas seis sobreviveram.

Equipe de resgate trabalha entre destroços do avião da LaMia que caiu perto de Medellín, na Colômbia — Foto: Fredy Builes/Reuters
Equipe de resgate trabalha entre destroços do avião da LaMia que caiu perto de Medellín, na Colômbia (Foto: Reprodução)

A mulher, que na época tinha 28 anos, era comissária de bordo do voo que levava o time catarinense para a disputa do primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana de 2016, contra o Atlético Nacional. A partida seria realizada no dia 30 do mesmo mês, mas depois do acidente, o jogo foi cancelado e a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) deu ao time brasileiro o título de campeão da competição.

Dos seis sobreviventes, três eram jogadores (Neto, Alan Ruschel e Jakson Follmamn), um era jornalista (Rafael Henzel, que morreu em março deste ano, de infarto) e outros dois eram membros da tripulação da aeronave (Ximena Suarez e Erwsin Tumiri), ambos de nacionalidade boliviana.

Avião que transportava a delegação da Chapecoense para Medellín, na Colômbia. — Foto: Luis Benavides/AP
Avião que transportava a delegação da Chapecoense para Medellín, na Colômbia (Foto: Reprodução)

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes