Mulher morta com seis tiros em Piracicaba tinha medida judicial contra o suspeito

Balconista de 30 anos foi morta com seis tiros em Piracicaba (Foto: Reprodução/Facebook)

A balconista Edinalva Maria Coelho de Souza, de 30 anos, assassinada com seis tiros em Piracicaba (SP), na terça-feira (27), tinha medida judicial que impedia o ex-marido João Rodrigues, de 35 anos, de se aproximar dela após seguidas ameaças de morte. Segundo a Polícia Civil, ele é o principal suspeito do crime e foi morto três horas depois em troca de tiros com a PM.

O delegado da Polícia Civil de Piracicaba, Rinaldo Puia de Souza, afirmou que um boletim de ocorrência de ameaça de morte, registrado por Edinalva, foi encontrado com ela pela corporação. “Ficou evidente no local que João Rodrigues foi o autor desse homicídio”, ressaltou.

No confronto, o PM André Aparecido de Brito, de 36 anos, também foi atingido e morreu na noite de terça-feira.

João Rodrigues da Silva, homem que matou ex-mulher em Piracicaba (Foto: Reprodução/EPTV)
João Rodrigues da Silva é suspeito de matar ex-mulher (Foto: Reprodução/EPTV)

Boletins de Ocorrência

Outras denúncias foram registradas pela vítima contra o servente de pedreiro desde 2014 e, em um deles, os filhos da mulher também são mencionados.

No boletim de ocorrência de 2014, registrado na 7º Distrito Policial de Piracicaba, Edinalva relatou que João Rodrigues tinha ido até a casa dela, mas não a encontrou, então ligou para a vítima, disse que ela teve sorte e que estava armado.

Segundo relato da vítima na ocasião, o homem disse que pretendia “furá-la todinha”. De acordo com o documento, Rodrigues disse ainda que mataria “os que Edinalva mais amava”, se referindo aos dela, e que se mataria depois.

Já na ocorrência registrada em maio deste ano no 1º DP de Piracicaba, a mulher afirmou à Polícia Civil que o homem ameaçou diretamente o filho de 10 anos. Ele foi até a casa da vítima e disse que mataria a criança. A mulher afirmou que ele teria se encontrado com ela alguns dias antes e usou de força física para pegar seu celular.

Ainda no mês de maio, no dia 24, a mulher registrou mais um boletim de ocorrência contra o agressor e alegou que Rodrigues a seguiu algumas vezes quando ela voltava do trabalho. Em uma das perseguições, o autor do crime teria dito que se ela não parasse, ele iria matá-la.

Morte

Edinalva Maria Coelho de Souza foi morta com seis tiros, três deles na cabeça na Rua Presidente Venceslau Braz, bairro Vila Cristina, de acordo com a Polícia Militar. A suspeita é que um homem em uma motocicleta Honda Falcon abordou a vítima, a mandou parar e atirou.

De acordo com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que foi chamado para prestar socorro, três disparos atingiram a cabeça e os outros acertaram o corpo da jovem.Quando a ambulância do Samu chegou ao bairro, a vítima já estava morta.

Equipes das polícias Militar e Civil e da Guarda Municipal também foram até o local. O motivo do assassinato será investigado pela Polícia Civil. Uma das suspeitas, de acordo com a Guarda, é de que crime teria motivação passional.

Jovem de 20 anos foi morta com 6 tiros em Piracicaba (Foto: Valter Martins/Piracicaba em Alerta)Mulher de 30 anos foi morta com seis tiros em Piracicaba (Foto: Valter Martins/Piracicaba em Alerta)

Suspeito morre

O suspeito de assassinar a ex-mulher com 6 tiros em Piracicaba (SP), na noite desta terça-feira (27), acabou morto em uma troca de tiros com a Polícia Militar poucas horas depois do crime. No tiroteio, o PM André Aparecido de Brito, de 36 anos, também foi atingido e morreu no hospital.

PM André Aparecido de Brito morreu durante troca de tiros (Foto: Divulgação/PM)

Cerca de três horas antes, a balconista Edinalva Maria Coelho de Souza, de 30 anos, tinha sido morta com seis disparos de arma de fogo, três deles na cabeça.

O servente de pedreiro João Rodrigues, de 35 anos, era ex-marido da mulher, e ela já havia registrado boletins de ocorrência por ameaça contra ele.

Segundo a Polícia Militar, quando as equipes chegaram à casa do suspeito após a morte da balconista, o homem estava armado e uma troca de tiros começou.

Rodrigues morreu no local e o PM Brito chegou a ser socorrido pelos colegas de corporação e levado à Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos. O policial morava em Limeira (SP) e trabalhava há 15 anos em Piracicaba. O velório dele ocorreu na Câmara Municipal de Limeira e o corpo será cremado em Campinas. Já o corpo do servente de pedreiro, está no Instituto Médico Legal (IML) de Piracicaba

 
Fonte: G1
Scroll Up