Moscou adota estratégia para realizar testes de detecção em massa para COVID-19

A longa fila de pessoas aguardando pacientemente na entrada de um laboratório de Moscou ilustra a política de testes de detecção em massa defendida pelas autoridades russas para enfrentar a epidemia de coronavírus.

Os pacientes desta filial da empresa biomédica Gemotest não apresentam, porém, sintomas de infecção pela COVID-19. Foram ao estabelecimento para ficarem mais tranquilos, aproveitando que não é difícil realizar o teste de coronavírus na capital russa.

“Nas próximas semanas, o confinamento será suavizado, e quero retomar meu trabalho, que envolve um contato próximo com meus clientes. Tenho que saber meu estado de saúde”, explica Ildar Guiniatullin, massagista de 40 anos, antes de uma enfermeira tomar uma amostra de sua saliva.

Segundo país do mundo em número de infectados (mais de 270.000), a Rússia optou pela estratégia de realizar testes em massa na população. No sábado, as autoridades disseram terem realizado 6,6 milhões de testes de diagnóstico desde o início da pandemia.

A estratégia busca identificar e isolar os casos assintomáticos de coronavírus, que representam pouco menos da metade das infecções na Rússia.

Esta política explica, segundo as autoridades, a baixa taxa de mortalidade no país, em torno de 2.500 vítimas, em relação a outros países. Críticos do governo duvidam da veracidade desses dados.

Testes em 30 minutos

“Quanto maior for o número de pessoas fazendo os testes, mais fácil será conter a epidemia. E haverá menos perdas para a economia e mais possibilidades de tomar as medidas adequadas”, destacou Dimitri Gordeiev, especialista no Gemotest.

A cidade de Moscou permanecerá confinada pelo menos até o fim do mês, mas e setor de construção civil e a indústria já retomaram suas atividades. Em muitas regiões, a vida voltou praticamente à normalidade. O campeonato de futebol será retomado no final de junho.

Nos arredores de Moscou, a empresa Sistema-Biostech, filial da holding russa AFK Sistema, busca facilitar os testes de detecção em massa para a população.

Com apenas 30 funcionários e um laboratório instalado às pressas em um edifício hospitalar que não estava sendo utilizado, a empresa afirma ter desenvolvido um sistema de detecção express. Segundo o fabricante, ele permite detectar uma possível infecção por COVID-19 em 30 minutos, com um material que cabe dentro de uma bolsa médica clássica.

Além dos testes de detecção da COVID-19, Moscou lançou na sexta-feira outra campanha em massa de testes para inspecionar a presença de anticorpos na população e avaliar o grau de “imunidade coletiva”.

A cada três dias, 70.000 pessoas serão selecionadas aleatoriamente para participar desses testes que, segundo as autoridades, constituirão uma operação “única no mundo”, devido ao seu alcance.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up