Mortes de saguis por herpes humana após alimento contaminado preocupam Jardim Botânico de Bauru

O registro de mortes de saguis por contaminação com herpes humana virou uma preocupação no Jardim Botânico de Bauru (SP). A doença é transmitida por meio de alimentos contaminados pelo vírus, oferecidos a esses animais silvestres por visitantes.

O contato dos saguis com o ser humano é comum no Jardim Botânico. Os visitantes, encantados e curiosos, usam os alimentos para atraí-los para o registro de fotografias. Porém, é nessa ação, aparentemente inocente, que os saguis contraem a doença.

Segundo o biólogo Vinicius Sementili Cardoso, do setor de Educação do Jardim Botânico Municipal de Bauru, em entrevista à Tv Tem, as pessoas oferecem alimentos, como frutas, e causam alteração no comportamento dos saguis.

“O sagui não deve se alimentado com qualquer tipo de comida, frutas ou alimentos humanos, já que ele vai atrás do próprio alimento na natureza. Oferecer esses alimentos pode prejudicar a saúde do animalzinho”.

Vinícius acrescenta que a herpes humana é uma das doenças que afetam o animal, mas não a única.

“A herpes é transmitida com contato direto com a saliva, ou seja, a pessoa morde o alimento e oferece aos animais. Como os alimentos são muito doces, o animal pode desenvolver também diabetes, cárie, problemas hepáticos e renais.”

Segundo o biólogo, não há uma contabilidade sobre o total de animais que morreram pela doença, mas apenas o registro, feito por observação, de animais que apresentam os sintomas da doença.

As manifestações físicas são feridas em mucosas (boca, língua, pele), mas há também outros sintomas comportamentais que indicam que animal está infectado. O sagui fica mais lento, cai das árvores e, em estágios mais avançados, sofre convulsões.

Vinicius Sementili Cardoso, do setor de Educação do Jardim Botânico Municipal de Bauru (SP) — Foto: Tv Tem /Reprodução
Vinicius Sementili Cardoso, do setor de Educação do Jardim Botânico Municipal de Bauru (SP) (Foto: Tv Tem /Reprodução)

De acordo com Vinícius Sementili, a confirmação da herpes humana foi feita após a análise do material coletado de alguns saguis mortos encontrados na área de visitação do parque.

O biólogo diz ainda que, com a reabertura do Jardim Botânico após a flexibilização das restrições da pandemia, técnicos do parque já começaram a observar alguns animais com possíveis sintomas da herpes humana. A preocupação é que, além de ser letal para os saguis, a doença pode ser transmitida pelo animal ao seu bando.

Projeto ‘Eu Curto Sagui’

O Jardim Botânico iniciou no mês de março de 2018 a campanha educativa “Eu Curto Sagui – Ele Lá, Eu Aqui”. Isso porque, de acordo com o Vinicius, naquele momento começaram os registros de saguis morrendo por conta da herpes humana.

A campanha tem como objetivo orientar a população para não oferecer alimentos aos animais. Inclusive, foi instalado um banner informativo na área de piqueniques do Jardim Botânico para fornecer informação e sensibilizar o público.

Para aderir à campanha acesse o site do Jardim Botânico.

Banner informativo instalado na área de piqueniques do Jardim Botânico — Foto: Tv Tem /Reprodução
Banner informativo instalado na área de piqueniques do Jardim Botânico (Foto: Tv Tem /Reprodução)

Fonte: G1 – Foto: Jardim Botânico de Bauru /Divulgação

Scroll Up