Milhares de separatistas repudiam visita do rei da Espanha a Barcelona

Milhares de manifestantes separatistas catalães repudiaram nesta segunda-feira (4) a presença em Barcelona do rei Felipe VI, que apelou a uma Catalunha sem “violência” ou “intolerância”, depois de recentes manifestações contrárias à condenação de líderes do movimento.

Revoltados após a condenação de nove líderes catalães à prisão pela tentativa de secessão de 2017, milhares de pessoas protestaram em frente ao Palácio de Congressos da Catalunha, onde o monarca e sua filha, a princesa Leonor, participaram da entrega dos prêmios Princesa Girona a jovens talentos.

“O rei espanhol não é bem-vindo na Catalunha”, afirmava uma faixa exibida por um manifestante, enquanto outros queimavam fotos do monarca, observou um jornalista da AFP.

Dentro do recinto, o rei não se referiu diretamente às recentes manifestações, mas lembrou as contribuições para a democracia espanhola de uma “Catalunha plural e integradora, (…) construtiva e solidária com progresso geral”.

“Esses valores representam, sem dúvida, o melhor das histórias da Catalunha. Não podem e não devem ser uma lembrança do passado, mas uma realidade presente e futura, uma realidade na qual não cabem violência, intolerância nem o prejuízo dos direitos e liberdades de todos “, afirmou o rei, que discursou em catalão.

Revoltados após a condenação de nove líderes catalães à prisão pela tentativa de secessão de 2017, milhares de pessoas protestaram em frente ao Palácio de Congressos da Catalunha (Fotos: Reprodução)

Essa é a primeira visita do rei à Catalunha desde a publicação da decisão da Suprema Corte em 14 de outubro, que gerou protestos, por vezes violentos, nesta região do nordeste da Espanha, agora no centro do debate para as eleições de domingo.

Desde domingo, o local da cerimônia foi fortemente vigiado pela polícia que, antes do início do ato, bloqueou um dos principais acessos à cidade, muito próximo ao local do evento.

O evento era realizado em Girona, um feudo nacionalista no norte da região cuja prefeitura declarou em 2017 o monarca como uma pessoa não grata, mas este ano foi transferido para Barcelona.

Desde outubro de 2017, quando proferiu um discurso pedindo para “garantir ordem constitucional” em plena tentativa de secessão na Catalunha, o monarca se tornou um alvo favorito dos separatistas, que geralmente organizam protestos toda vez que ele visita a região.

Nesta ocasião, a viagem coincide com a campanha das eleições de 10 de novembro, onde a crise na Catalunha e os distúrbios das últimas semanas estão desempenhando um papel central.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up