Migrantes são mantidos em condições ‘muito ruins’ no Reino Unido

Os migrantes seguem detidos em condições ‘muito ruins’ no Reino Unido, apesar das promessas de melhora do governo, diz um relatório divulgado nesta quinta-feira (16, quarta-feira 15 em Brasília), em um momento em que as chegadas de viajantes clandestinos atingem níveis recordes no país.

A inspeção penitenciária e os comitês de monitoramento independentes de Dover e Heathrow, compostos por voluntários encarregados pelo governo de avaliar as condições de recepção, visitaram várias instalações nos últimos três meses.

Apesar das garantias dadas após as inspeções anteriores em 2020, houve apenas “progresso limitado”, informou o inspetor-chefe das prisões, Charlie Taylor.

“Os detidos, incluindo um grande número de menores desacompanhados, continuaram (em 2021) em condições muito ruins”, continuou.

De acordo com o relatório, as famílias com crianças pequenas tiveram que passar mais de 24 horas em barracas perto de Dover, o principal porto inglês nas margens do Canal da Mancha, enquanto as mulheres que relataram ter sido estupradas por traficantes de pessoas “não receberam ajuda suficiente”.

O documento também aponta para problemas “significativos” com a segurança de menores desacompanhados, que são “regularmente mantidos” ao lado de adultos com os quais não têm relacionamento.

Durante uma visita em outubro ao centro de Tug Haven, perto de Dover, os inspetores observaram que as temperaturas estavam baixas, especialmente nos ônibus de dois andares que às vezes são usados para pernoites.

Eles descobriram que várias crianças, incluindo bebês, bem como adultos potencialmente vulneráveis, ficavam lá para dormir e que alguns ferimentos – queimaduras, cortes, hematomas nos pés – não foram detectados ou tratados.

Os inspetores citaram o caso de uma “garota de 16 anos que teve queimaduras de combustível nas pernas e esteve em Tug Haven por dois dias com roupas molhadas”. Quando seus ferimentos foram finalmente identificados, “as costuras de sua roupa estavam incrustadas nas queimaduras e um médico relatou que provavelmente ela teria cicatrizes para o resto da vida”.

Deficiências também foram observadas em um centro no Aeroporto Heathrow de Londres, que mantém migrantes antes de sua remoção do Reino Unido.

Os inspetores relataram que quatro ônibus chegaram uma noite e os migrantes tiveram que dormir no chão sem instalações sanitárias adequadas.

Eles classificaram as condições de “inaceitáveis e degradantes, mas inevitáveis devido à incapacidade do centro de processar as chegadas”.

Fonte: Yahoo!