Médico de Botucatu diz que liberação do uso de máscaras no País neste momento é “precipitada e irresponsável”

O Professor Dr. Alexandre Naime Barbosa, médico infectologista do Hospital das Clínicas de Botucatu, afirmou que a não-obrigatoriedade das máscaras contra a Covid-19 depende da análise de quatro variáveis

A liberação do uso de máscaras de proteção contra a Covid-19, estipulada pelo município de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, e que pode ocorrer em outras cidades do Brasil, é “precipitada e irresponsável”, de acordo com o infectologista Alexandre Naime, em entrevista à CNN Rádio.

Ele reforça que “é importante” que cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Florianópolis estejam promovendo estudos para avaliar esta possibilidade.

Dr. Alexandre Naime explica que a não-obrigatoriedade das máscaras depende de quatro variáveis. “A taxa de transmissão é uma delas, que é o quanto que uma pessoa transmite para outra, por exemplo, se ela é de 1,02, na prática, 100 pessoas transmitem para outras 102 por dia.”

O ideal, segundo o infectologista, é que este número esteja em 0,5 ou 0,4 para se começar a pensar a em flexibilização.

“As outras três são a taxa de internação, números de óbitos e número de pessoas vacinadas. São esses os estudos que devem ser feitos para que se enxergue a curto e médio prazo para ver se é seguro ou não liberar as máscaras”, explicou.

Alexandre Naime também destacou que é “improvável que novas variantes com o impacto da Gama ou da Delta surjam neste cenário com a população-alvo altamente vacinada.”

No entanto, ele fez uma ressalva: “O medo não é mais o Brasil, mas, sim, locais em que há menos de 5% das pessoas vacinadas, como Haiti, porque existe falta de equidade ao acesso às vacinas.”

Leia Notícias – com CNN

Scroll Up