Mais de 7.500 imigrantes haitianos são expulsos dos EUA em menos de 3 semanas

Mais de 7.500 imigrantes haitianos foram deportados dos Estados Unidos, em um período de três semanas, em 70 voos fretados, informou nesta sexta-feira (8) a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Segundo a OIM, hoje é o primeiro dia em que não há voos marcados com esse fim desde 19 de setembro.

Nas últimas três semanas, “mais de 7.500 pessoas foram expulsas dos Estados Unidos para o Haiti”, disse Giuseppe Loprete, diretor da OIM no país caribenho.

“Durante duas semanas, tivemos um mínimo de três voos diários e até oito no momento de maior intensidade”, acrescentou, ao apontar que foram 70 voos fretados no total.

O governo de Joe Biden tinha suspendido as deportações de imigrantes em situação irregular para o Haiti após o terremoto de 14 de agosto, que devastou o sudoeste do país, matando mais de 2.200 pessoas.

Contudo, depois que, em meados de setembro, mais de 30.000 imigrantes, a maioria haitianos, acamparam sob um viaduto na fronteira entre o México e o estado americano do Texas, Washington decidiu mudar as regras do jogo.

Evocando uma regulamentação sanitária para a pandemia de covid-19, os Estados Unidos passaram a deportar maciçamente esses imigrantes, 20% deles crianças, operando voos diários até a capital Porto Príncipe e Cabo Haitiano, a segunda maior cidade do país.

Após realizarem uma perigosa travessia pelo continente americano, essas famílias retornam para um Haiti assolado pela violência das gangues e ainda mais pobres do que quando o deixaram.

Além disso, há no país uma luta pelo poder desde o assassinato do presidente Jovenel Moïse em 7 julho.

As expulsões por parte do serviço de migração dos Estados Unidos estão diminuindo, mas esse fenômeno segue se repetindo em vários países da região, que continuam devolvendo centenas de migrantes toda semana.

O México, por exemplo, já operou dois voos para Porto Príncipe, com 199 haitianos a bordo.

Contudo, segundo Giuseppe Loprete, essas expulsões seguem uma metodologia diferente: “é uma opção para os quase 30.000 haitianos que estão no México, se alguém quer retornar a seu país, o México coloca um avião a disposição”.

As Bahamas, por outro lado, estão aumentando o número de retornos forçados de imigrantes em situação irregular, sem notificar os agentes humanitários nem as autoridades locais.

“Em 1º de outubro, em Cabo Haitiano, vimos chegar os voos e oferecemos assistência aos migrantes, mas, até mesmo as autoridades haitianas se surpreenderam ao ver cinco voos em um só dia com 500 pessoas”, afirmou Loprete.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up