Mãe é presa por não sair do lado da filha em hospital nos EUA

Lynn Savage, de 70 anos, foi presa por se recusar a sair do lado da filha Amber em um hospital e declara não se sentir arrependida por “tê-los feito me tirarem de lá com algemas”, em entrevista à WKRC. Ela foi levada com base em uma acusação de invasão após não ter concordado com as horas de visitação enquanto a filha se recuperava de uma cirurgia cerebral no UF Health North, em Jacksonville, Flórida (Estados Unidos).

“Eu não poderia, em boa consciência e coração, deixar o seu leito sem saber como ela passaria a noite”, conta ela. Lynn afirma que estava no hospital desde às 6h30 da manhã, atuando como intérprete para Amber, que tem uma paralisia no lado esquerdo do corpo decorrente de um derrame. Em um momento, um médico lhe pediu para entrar no quarto da filha na UTI para acalmá-la após a operação. “Assim que eu me aproximei, ela ficou bem.”

Amber e Lynn Savage (Foto: Divulgação)

Porém, quando o horário de visitação encerrou às 19h, uma enfermeira pediu que Lynn deixasse o quarto. “Eu disse: ‘Eu não vou embora. Eu quero ficar aqui com minha filha. Você pode chamar o médico porque ele queria que eu ficasse aqui com ela?'”, conta. Entretanto, a enfermeira não concordou e disse que, por conta do protocolo de covid-19, as visitas estavam limitadas.

Seguranças entraram no quarto e pediram que ela fosse embora. Após horas de negociação, Lynn foi levada à prisão, onde passou um dia. “Foi terrível, mas eu preferiria ficar lá do que saber que deixei a minha filha para trás”, finaliza.

Fonte: Marie Claire

Scroll Up