Luisa Stefani se torna 6ª tenista do Brasil na história a atingir o top 10

Um dos destaques de 2021 no circuito, a medalhista olímpica Luisa Stefani teve a ótima temporada coroada com a entrada no top 10 do ranking de duplas da WTA pela primeira vez na carreira nesta segunda-feira. Mesmo sem poder jogar por conta de uma lesão no ligamento do joelho, a brasileira contou com o desconto de pontos de outras tenistas e passou a figurar o seleto grupo de forma inédita. O nono lugar é histórico para ela e, sobretudo, para o tênis feminino do Brasil.

Ao adentrar o top 10, a brasileira, que já havia feito história ao conquistar a medalha de bronze nas Olimpíadas de Tóquio, se tornou a sexta tenista do país a atingir tal feito, a primeira mulher na Era Aberta. Antes dela, Maria Esther Bueno, em 1959, quando o sistema de ranking era diferente, Carlos Kirmayr, Guga, Bruno Soares e Marcelo Melo figuraram entre os 10 melhores do mundo.

Ranking da WTA de 01 de novembro de 2021 aponta Luisa Stefani na 9ªcolocação — Foto: Reprodução/site WTA
Ranking da WTA de 01 de novembro de 2021 aponta Luisa Stefani na 9ªcolocação (Foto: Reprodução/site WTA)

– Top 10 sempre foi uma meta pra mim e é uma grande conquista alcançá-lo. Pena que não estou jogando no momento, mas mesmo assim é um grande marco na minha carreira. Estou comemorando as pequenas vitórias ultimamente durante minha recuperação então vou adicionar essa na lista também. Um lembrete dos ótimos resultados e boas lembranças que tive na quadra esse ano – comentou a tenista sobre o feito histórico.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Campeã de 18 Grand Slams, Maria Esther Bueno foi a primeira brasileira a fazer parte do top 10, sendo inclusive número 1 do mundo. A “Bailarina do tênis” conquistou diversos títulos em simples e duplas. Depois, foi a vez de Carlos Kirmayr que chegou a ser o 6º melhor do ranking nas duplas, já na Era Aberta. Foram 10 troféus obtidos entre os 1970 e 1990.

Luisa Stefani estreia com vitória em Montreal — Foto: Thearon Henderson / Getty Images
Luisa Stefani estreia com vitória em Montreal (Foto: Divulgação)

Idolatrado no Brasil e no mundo, Gustavo Kuerten foi o terceiro brasileiro a adentrar o top 10. Guga foi tricampeão de Roland Garros e atingiu o posto de líder do ranking em simples. Na sequência, vem Marcelo Melo e Bruno Soares, que seguem no circuito até hoje e acumulam títulos no circuito.

Fora do top 10 atualmente, os dois colecionam títulos de Grand Slam (Melo tem dois e Bruno tem seis). Bruno Soares chegou a ser número 2 do mundo, enquanto Marcelo Melo já ficou no topo do ranking em três oportunidades diferentes.

Laura Pigosi e Luisa Stefani — Foto: Reuters
Laura Pigosi e Luisa Stefani (Foto: Divulgação)

Temporada de ouro

A entrada de Luisa Stefani na lista das 10 melhores tenistas do mundo é mais que merecida. Depois de um vice-campeonato no WTA 1000 de Miami, a brasileira conquistou a medalha de bronze em Tóquio – a primeira do país na modalidade em Olimpíadas -, e não parou por aí. Após precisar trocar de parceira – ela jogava com Hayley Carter, que se machucou e deu lugar a Gabriela Dabrowski -, os resultados não só continuaram satisfatórios, como melhoraram.

Ao lado de Dabrowski, do Canadá, Luisa Stefani foi vice-campeã no WTA 500 de San Jose e no WTA 1000 de Cincinnati, além de ter conquistado o título do WTA 1000 de Montreal. No US Open, vinha fazendo ótima campanha até se lesionar no tie-break do primeiro set da semifinal. O cenário acabou sendo dos piores, com a tenista precisando passar por uma cirurgia de reconstrução de ligamentos. Porém, a recuperação vem sendo muito boa.

Em suas redes sociais, Stefani posta sempre que possível imagens e vídeos na fisioterapia, ou fazendo exercícios para fortalecer o local. Ainda não há previsão certa de retorno às quadras. A expectativa é de que a brasileira possa estar competindo no primeiro semestre de 2022.

Pontos a descontar

Apesar da histórica entrada no top 10, o posto de Luisa Stefani pode ficar ameaçado em breve. Durante o mês de novembro, a tenista vai perder 200 pontos, 160 do título do WTA 125 de Houston, nos Estados Unidos, e 40 do ITF W60 de Colina, no Chile, ambos em 2019.

Fonte: G1

Scroll Up