Leia Pet: Veterinária de Botucatu lista os 7 maiores perigos para os pets dentro de casa

Sempre que saímos de casa e deixamos os nossos amiguinhos sozinhos, imaginamos que eles ficam seguros, afinal, estão protegidos debaixo do nosso teto, não é mesmo? Ledo engano. Os acidentes domésticos são muito comuns e, muitas vezes, letais. Pois bem…  A veterinária da Vila Chico em Botucatu, Dra. Janaína Biotto, lista os 7 maiores perigos para os pets dentro de casa. Veja:

1. Animais peçonhentos
Perigo: não é incomum encontrarmos insetos, aracnídeos, répteis e outros animais no nosso quintal e, eventualmente, dentro de casa. Alguns deles podem ferir ou até mesmo matar nossos cães e gatos. Algumas espécies de aranhas, lacraias, escorpiões, cobras, sapos e abelhas possuem venenos que são capazes de intoxicar tanto pets como humanos.
Fique de olho: às vezes é necessária dedetização das instalações para eliminar os animais peçonhentos. Utilizar proteção para vedar a entrada dos mesmos debaixo da porta; manter o gramado sempre bem cuidado; eliminar entulhos e restos de lixo, e contatar a vigilância ambiental quando identificar a formação de enxames de abelha são atitudes que ajudam.

Foto cedida pelo Dr. Alexandre Naime

O escorpião venenoso (Titiyus bahiensis) pode ser encontrado no ambiente doméstico

2. Choques elétricos
Perigo: cães e gatos são como crianças e precisam ser protegidos de choques elétricos. O que ocorre com mais frequência é o pet morder fios ligados à tomada. Muitas vezes a corrente é letal. Em outras situações levam à queimaduras graves, arritmias cardíacas e edema pulmonar. Após o choque, o animal deve ser levado imediatamente ao veterinário.
Fique de olho: o ideal é retirar os fios de aparelhos elétricos da tomada quando sair de casa ou protegê-los de modo que os animais não tenham acesso a eles. É possível treinar o seu pet para que ele não morda os fios, entretanto, todo cuidado é pouco.

3. Quedas
Perigo: escadas, mezaninos, janelas e camas altas são responsáveis por muitos atendimentos no pronto socorro veterinário. Além de fraturas em membros, coluna, costelas e quadril, muitas vezes o animal sofre traumatismo craniano e apresenta contusões pulmonares. Cães pequenos podem se machucar simplesmente pulando da cama ou sofá.
Fique de olho: utilize telas para janelas e vãos de mezaninos, coloque portões nas escadas e ensine o seu cãozinho miniatura a não pular direto da cama para o chão. Gatos também podem se ferir caindo de alturas elevadas.

Divulgação

Animais em cima de mesas, escadas e mezaninos devem ser protegidos

4. Lixo:
Perigo: cães, no geral, são atraídos por cheiros e nada mais comum do que fuçarem no lixo. No entanto, lá encontramos alimentos deteriorados e outros itens que podem se tornar corpos estranhos no estômago dos animais. Intoxicações alimentares e problemas intestinais, sanados cirurgicamente, são complicações ocasionadas pelo lixo doméstico.
Fique de olho: retire o lixo sempre que puder da presença do cão. Utilize cestos bem fechados para reduzir odores e leve o material para a coleta seletiva o mais rápido possível.

Foto cedida pelo Dr. Jean Joaquim

Objetos retirados cirurgicamente do estômago de um cão

5. Medicamentos, produtos de limpeza, venenos
Perigo: é muito comum a ingestão acidental de medicamentos de uso humano, produtos de limpeza e venenos colocados para eliminar pragas.
Fique de olho: nunca deixe esses produtos ao alcance dos animais e se ocorrer a ingestão leve o pet ao veterinário mais próximo. Procure armazenar tais itens em locais altos e dentro de armários fechados. Não dê leite ou qualquer outro líquido para o animal após a ingestão do produto químico. Quanto antes o socorro, maior as chances de sobrevivência.

6. Piscina:
Perigo: quedas em piscinas são muito comuns. Os animais acabam caindo por curiosidade ou muitas vezes por não enxergarem. Há diversos relatos de morte por afogamento.
Fique de olho: grades ou lonas impedindo o acesso à água são importantes para evitar esse tipo de acidente. Algumas piscinas possuem escadas e outros aparatos que facilitam a saída dos animais da água. Alguns pets aprendem a nadar e conseguem sair da piscina, porém outros acabam exaustos de tanto nadar e não conseguem achar a saída.

7. Atropelamentos
Perigo: é importante que os animais não tenham acesso à garagem e à rua no momento em que os carros da família entrarem e saírem pelo portão. Atropelamentos e fugas são comuns e muitas vezes o próprio dono é quem acaba ferindo o animal.
Fique de olho: quando não é possível evitar o acesso dos animais à garagem, existe a possibilidade de treinar o animal a ficar parado durante a movimentação dos carros. Com um pouco de paciência e um bom adestramento problemas desse tipo podem ser evitados.

Divulgação

Impeça o acesso dos pets à garagem quando da entrada e saída de veículos

Tomando alguns cuidados dentro de nossa própria casa é possível evitar vários acidentes, os quais muitas vezes são letais. Temos que ter em mente que os pets são como crianças e a prevenção é sempre o melhor remédio! Ame-os! Cuide-os! Boa semana! ????

Últimas

Migrantes haitianos recuperam a esperança no México

25 set 2021

O México é uma luz no fim do túnel para os cerca de 300 migrantes haitianos...

Categorias

Scroll Up