Justiça não encontra Fernando Cury, e processo por importunação sexual pode atrasar

Denunciado sob acusação de importunação sexual pelo Ministério Público de São Paulo, o deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), de Botucatu, afastado do mandato, não foi encontrado pela Justiça em quatro ocasiões distintas em endereço fornecido por ele às autoridades, em Botucatu. O sumiço de Cury deve alongar ainda mais o processo.

Em dezembro do ano passado, Cury foi flagrado pelas câmeras da Assembleia Legislativa de São Paulo apalpando a lateral do corpo da deputada Isa Penna (PSOL) durante uma sessão plenária.

Ele foi condenado à perda temporária do exercício do mandato por seis meses em votação unânime do plenário da Assembleia em 1º de abril, após pressão para que a punição não fosse vista como férias ao deputado e para que seu gabinete também fosse atingido.

Isa também levou o caso ao Ministério Público, que investigou e ofereceu denúncia em março.

Antes de analisar se aceita a denúncia e torna Cury réu, o desembargador João Carlos Saletti, do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou que o deputado fosse notificado da denúncia e oferecesse uma resposta prévia em 15 dias.

Como mostrou a Folha, Cury tem feito reuniões políticas mesmo afastado do mandato e tem divulgado benefícios a prefeituras que diz ter conquistado junto ao governo João Doria (PSDB).

Seu suplente, deputado Padre Afonso Lobato (PV), manteve parte dos assessores de Cury, inclusive os ligados à campanha, ao partido ou à região de atuação do deputado do Cidadania.

A Folha revelou que, dos 17 funcionários lotados no gabinete de Padre Afonso, 10 foram “herdados” do gabinete de Cury, incluindo a ex-chefe de gabinete Regiane Cristina Mendes. Ela testemunhou a favor de Cury perante o Conselho de Ética da Assembleia.

Apesar da agenda política ativa e divulgada em redes sociais, Cury não foi encontrado pelo oficial de Justiça em Botucatu, sua cidade natal e base política.

Para aliados de Isa Penna, o sumiço do deputado tem como objetivo atrasar o andamento do processo que pode condená-lo com pena de um a cinco anos de prisão.

Fonte: Notícias ao Minuto

Scroll Up