Justiça dos EUA mantém condenação de mais de 20 anos de prisão para Joe Exotic

O excêntrico cuidador de zoológico “Joe Exotic”, protagonista de um documentário bem-sucedido transmitido na plataforma Netflix, não convenceu a Justiça americana a libertá-lo e foi condenado nesta sexta-feira (28) a mais de 20 anos de prisão por tentativa de assassinato.

O “rei dos tigres”, cujo nome real é Joe Maldonado-Passage, tinha sido condenado em janeiro de 2020 a 22 anos de prisão por encomendar o assassinato de sua inimiga íntima Carole Baskin. Devido a um erro de procedimento, um tribunal federal ordenou a redução da pena.

Durante uma audiência em Oklahoma City, destinada a determinar sua nova sentença, Joe Exotic, de 58 anos, pediu uma “segunda oportunidade”, segundo reportou a mídia local. “Não me deixem morrer na prisão”, clamou o réu, que tem câncer de próstata.

Baskin, por outro lado, pediu ao juiz para manter Joe atrás das grades, dizendo que sempre temeu por sua vida.

Por fim, o magistrado manteve a pena de 20 anos e quatro meses de reclusão, segundo documentos judiciais.

A trajetória do exuberante Joe Exotic, que conseguiu amealhar uma pequena fortuna graças a um zoológico aberto em 1999 em Oklahoma, antes de perder tudo, divertiu milhões de pessoas confinadas durante o lançamento do documentário “A Máfia dos Tigres” no início da pandemia.

A série enfocava no conflito de Joe com Baskin, uma defensora da causa animal que o acusa de maus-tratos aos animais e havia se comprometido a fazer seu zoológico falir.

No fim, Joe acabou oferecendo milhares de dólares para dois assassinos de aluguel para que matassem Baskin, mas um deles era um policial infiltrado para pegá-lo em flagrante.

Uma continuação da série documental, “A Máfia dos Tigres 2”, foi lançada em novembro pela plataforma de streaming e também atraiu uma multidão de espectadores.

Fonte: Yahoo!