Jill Biden anuncia no Panamá aumento de fundo dos EUA contra HIV

A primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, anunciou no sábado (21), no Panamá, um aumento da ajuda de Washington para combater o HIV na região.

O anúncio foi feito durante uma visita à Casa-Lar O Bom Samaritano, um albergue no leste da Cidade do Panamá, onde vivem pessoas de baixa renda portadoras do HIV.

Em um comunicado, o porta-voz de Jill, Michael La Rosa, informou que a assistência será aumentada em US$ 80,9 milhões “para toda região”, o que inclui US$ 12 milhões para o Panamá.

“O Departamento de Estado está fazendo um anúncio para aumentar o fundo para o Plano de Emergência do Presidente para o Alívio do HIV (Pepfar, na sigla em inglês)”, disse a primeira-dama, diante dos moradores da instituição e de alguns curiosos que acompanharam a visita.

“Há esperança no horizonte”, afirmou Jill Biden, que está em visita pela América Latina, uma viagem que incluiu Equador, Panamá e Costa Rica.

Segundo informações da Casa Branca, por meio do fundo Pepfar, lançado pelo então presidente George W. Bush em 2003, os Estados Unidos investiram US$ 100 bilhões para combater o HIV em todo mundo.

“Vejo o quanto estão trabalhando e, talvez com o fundo adicional que anunciaremos hoje, tenho a esperança de que faça a diferença para vocês”, acrescentou a primeira-dama, de vestido azul-claro e máscara.

No local, também visitado pelo papa Francisco durante uma viagem ao Panamá em 2019, os moradores presentearam Jill com uma placa comemorativa com sua foto.

“É muito bonita”, elogiou a primeira-dama.

Durante sua estada, Jill Biden fez anotações, tirou uma foto com os presentes e conversou com vários moradores.

“Fico feliz por termos a oportunidade de falar sobre como os Estados Unidos e o Panamá podem trabalhar juntos contra o HIV”, comentou.

Alguns pacientes de aids manifestaram a Jill sua preocupação com a discriminação que enfrentam por terem a doença.

“Isso é algo de que não se fala no meu povo e, por isso, temos que migrar para as grandes cidades”, desabafou Raúl Tugrí, um indígena positivo para HIV desde 2014.

“Acho que isso começa dentro da unidade familiar dentro das igrejas, para começar a mudar as atitudes das pessoas. Tenho esperança em você”, respondeu a primeira-dama.

Fonte: Yahoo!