Israel prorroga confinamento pela terceira vez para tentar conter a covid

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O governo israelense decidiu neste domingo (31) prorrogar por cinco dias as medidas de confinamento que deixariam de ter efeito à meia-noite, informaram o gabinete do primeiro-ministro e o ministério da Saúde em um comunicado conjunto. 

Como o número de infectados continua alto, apesar de uma intensa campanha de vacinação, o governo prorrogou pela terceira vez desde o início da pandemia o confinamento imposto aos israelenses. 

Após a reunião, os ministros acordaram manter as medidas até as 07h de sexta-feira. 

O Executivo vai se reunir na quarta para examinar a situação, acrescentou o comunicado. 

Milhares de judeus ultraortodoxos violaram neste domingo o confinamento, comparecendo ao funeral de um rabino em Jerusalém. 

O enterro de outro rabino à noite na mesma cidade provocou nova violação das medidas. A lei só permite que 20 pessoas sigam o corpo do falecido, mas havia milhares no funeral do rabino Yitzhak Sheiner. 

O Parlamento israelense votou neste domingo um aumento das multas para quem quebrar as restrições sanitárias. 

Os deputados decidiram dobrar as multas para estabelecimentos comerciais e colégios que desafiarem as restrições: passarão de 5.000 a 10.000 shequels (3.000 dólares).  

Em um mês Israel vacinou mais de três milhões de seus 8,7 milhões de habitantes, informou o ministério da Saúde. 

O país se comprometeu a compartilhar os dados sobre os efeitos da imunização com a Pfizer em troca de receber rapidamente as vacinas. 

Apesar de ter imunizado um terço da sua população, Israel registrou nas últimas 24 horas algo mais que 3.500 casos de contágio. 

O ministro do Interior, Arié Dery, também estendeu por dois dias o fechamento das passagens fronteiriças com a Jordânia e o Egito, anunciado na quarta-feira passada. 

Os voos internacionais continuarão suspensos e o aeroporto internacional Ben Gurión ficará fechado por uma semana mais, decidiu o governo. 

O mês de janeiro foi o mais mortal em Israel, com mais de 1.000 óbitos pelo novo coronavírus dos mais de 4.700 falecimentos registrados desde março, quando estourou a pandemia.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes