Imigrantes nos EUA pedem que nova presidente de Honduras enfrente causas da migração

Uma delegação que representa cerca de 55 organizações lideradas por imigrantes nos Estados Unidos viajará a Honduras nesta semana para discutir as causas da migração, coincidindo com a posse da presidente Xiomara Castro, segundo comunicado divulgado nesta terça-feira.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, encarregada pelo presidente Joe Biden de abordar o que chama de raízes da migração para o norte, viajará a Honduras para a posse de Xiomara.

“A diáspora hondurenha nos Estados Unidos tem uma mensagem para o governo de Xiomara Castro: sabemos em primeira mão do doloroso custo de sermos obrigados a emigrar devido às condições intoleráveis em casa”, disse Mirtha Colón, líder garífuna originária de Honduras que preside a Aliança Américas.

Para enfrentar as causas fundamentais da migração, Xiomara deve estreitar a relação com o governo dos EUA e lidar “de forma rigorosa com a corrupção, a pobreza, a violência e os impactos das mudanças climáticas”, disse Oscar Chacón, da mesma organização.

A esquerdista Xiomara Castro, 62, mulher do presidente deposto Manuel Zelaya, venceu as eleições de 28 de novembro com uma coalizão liderada por seu partido, Liberdade e Refundação (Libre), e a proposta de um “socialismo democrático”.

Xiomara enfrenta numerosos desafios, em um país “dominado pela corrupção e pelo tráfico de drogas, onde o Judiciário não tem independência e a polícia continua, em grande medida, sendo ineficaz”, apontou a ONG Wola em análise publicada nesta terça-feira.

A isso se soma uma crise institucional, com a eleição de dois presidentes para o parlamento, depois que um grupo de deputados do partido de Xiomara se opôs ao candidato por ela proposto, do partido Salvador de Honduras (PSH), cujo apoio foi fundamental para que ela vencesse as eleições presidenciais.

Fonte: Yahoo!