Grávida que morreu 2 dias após o casamento teve hemorragia

O Hospital Carlos Fernando Malzoni, de Matão (SP), se posicionou sobre o caso da farmacêutica Taiza Balan, que estava grávida de cinco meses e morreu dois dias após o casamento.

Em nota enviada à imprensa, a instituição afirma que Taiza, de 29 anos, morreu às 22h40 de segunda-feira (5), em decorrência de choque por perda de grande quantidade de sangue.

“A paciente deu entrada no hospital na noite do último domingo (4) e permaneceu internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde faleceu. De acordo com o atestado de óbito, a morte ocorreu devido a um choque hipovolêmico, causado por uma hemorragia aguda no abdômen”, informou a instituição.

O corpo dela passou por exames no Serviço de Verificação de Óbito (SVO), em Américo Brasiliense, para apontar o que causou a hemorragia no abdômen. Ainda não há previsão para a divulgação dos resultados.

A farmacêutica Taiza Balan de 29 anos morreu após passar mal em cerimônia de casamento em Matão (Foto: Arquivo Pessoal)
Taiza estava grávida de cinco meses e morreu após hemorragia interna (Foto: Reprodução/Facebook)

Fortes dores

De acordo com um amigo de infância de Taiza, que preferiu não se identificar, a noiva sentiu fortes dores e desmaiou durante a cerimônia.

Ela foi medicada em Taquaritinga e voltou ao local, mas, ainda com mal-estar e com a pressão baixa, trocou as alianças e ficou sentada durante a festa.

No dia seguinte, ela voltou a passar mal e foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital de Matão.

“De domingo para segunda ela começou a sentir muita dor novamente, levaram para o hospital e viram que ela estava com uma infecção, tiraram o baço e um pedaço do fígado. Ela ficou internada, mas teve uma parada cardíaca e não resistiu”, disse o amigo.

Os médicos tentaram salvar o bebê, mas ambos não resistiram. “Que eu saiba ela estava bem de saúde, estava tudo em ordem com o bebê”, lamentou.

O amigo disse ainda que a família está em estado de choque. “O noivo não conseguiu entrar no velório. Tinha uns 7 anos que eles estavam juntos. A mãe dela chorava muito. A Taiza era um amor de pessoa, uma amigona de verdade”, disse. A farmacêutica foi enterrada na tarde de terça-feira (6), em Jurupema, distrito de Taquaritinga.

Fonte: G1