Governo da França apresenta projeto de lei contra ‘islamismo radical’

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Após os recentes ataques em Paris e Nice, o governo da França apresentou nesta quarta-feira (9) um projeto de lei para combater o “islamismo radical”, que visa a aumentar o controle sobre os locais de culto e proibir algumas práticas consideradas “incompatíveis” com os valores da República francesa, apesar das críticas do mundo muçulmano.

“Este projeto de lei não é um texto contra as religiões, nem contra a religião muçulmana em particular”, disse o primeiro-ministro Jean Castex em coletiva de imprensa.

“É, pelo contrário, uma lei de liberdade, uma lei de proteção, uma lei de emancipação contra o fundamentalismo religioso” (…) e tem como alvo “a perniciosa ideologia chamada de radicalismo islâmico”, acrescentou.

Jean Castex, primeiro-ministro da França, fala em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (9) no Palácio do Eliseu — Foto: Charles Platiau/Pool/AFP
ean Castex, primeiro-ministro da França, fala em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (9) no Palácio do Eliseu (Fotos: Reprodução)

O texto composto por cerca de 50 artigos busca responder a preocupação dos franceses diante do que o governo considera uma ameaça jihadista.

O projeto inclui disposições para restringir a educação de crianças em casa, permitir um maior controle sobre o funcionamento e financiamento das associações e locais de culto e combater melhor as mensagens que incitam o ódio e a divulgação de informação pessoal na internet.

Essa menção às publicações nas redes vem em resposta ao assassinato, em outubro passado, do professor Samuel Paty, perto de Paris, após mostrar charges do profeta Maomé em uma aula sobre liberdade de expressão.

Manifestante exibe foto do professor Samuel Paty, decapitado nos subúrbios de Paris, na França. Foto de manifestação em Lille em 18 de outubro — Foto: François Lo Presti/AFP
Manifestante exibe foto do professor Samuel Paty, decapitado nos subúrbios de Paris, na França (Foto: Reprodução)

O professor Paty foi ameaçado on-line antes de sua decapitação em meados de outubro. Nas mensagens, publicadas por alguns pais de família, foram mencionados seu nome e o da escola onde trabalhava.

A morte de Paty se soma à longa lista de ataques extremistas na França, incluindo os massacres de 2015 na redação da revista satírica Charlie Hebdo e na sala de apresentações Bataclan, assim como um ataque a uma igreja em Nice, no sul do país, também em outubro daquele mesmo ano, que deixou três mortos.

Críticas do exterior

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e presidente da França, Emmanuel Macron, em foto de janeiro de 2018 após encontro em Paris. Relação entre os dois líderes se deteriorou no último ano  — Foto: Ludovic Marin/AFP
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e presidente da França, Emmanuel Macron (Foto: Reprodução)

Apresentado no 115º aniversário da emblemática lei de 1905 sobre o laicismo, o texto é resultado de três anos de reflexões para encontrar uma solução para o que o presidente Emmanuel Macron chama de “hidra” islâmica.

O projeto de lei também propõe critérios mais rígidos para autorizar a educação em casa de crianças maiores de três anos, com o objetivo de evitar que os pais tirem seus filhos das escolas públicas e os matriculem em estruturas islâmicas clandestinas.

Da mesma forma, proibiria também os profissionais da saúde de realizarem certificações de virgindade, sob pena de uma multa de 15 mil euros ou até um ano de prisão, e impediria que as autoridades emitissem documentos de residência aos solicitantes polígamos.

Para combater os casamentos forçados, os funcionários do registro civil terão que “falar separadamente com os futuros cônjuges quando houve dúvida sobre o caráter livre do consentimento”.

O texto também contém disposições que proíbem que uma menina não tenha direito a herança apenas por ser do sexo feminino.

Uma mulher lê um decreto municipal instalado nos portões de entrada da Grande Mesquita de Pantin, perto de Paris, França, em foto de novembro — Foto: Antony Paone/Reuters
Mulher lê um decreto municipal instalado nos portões de entrada da Grande Mesquita de Pantin, perto de Paris, França (Foto: Reprodução)

O Executivo terá de navegar em um contexto político delicado, depois de observar como sua maioria parlamentar se rebelou no início do mês contra a lei de Segurança Global, especialmente contra um artigo que enquadra a divulgação de imagens de policiais em ação, considerado “liberticida”.

Além de uma maioria dividida, o governo também terá de lidar com a oposição em pé de guerra antes do debate do projeto de lei previsto na Assembleia Nacional, no início de 2021.

Também terá de lidar com os protestos no exterior, com violentas manifestações antifrancesas em Bangladesh e no Paquistão, reações de líderes muçulmanos e críticas da imprensa anglo-saxã a um texto acusado de lançar uma sentença a todos os muçulmanos.

Este texto causou mal-estar inclusive nos Estados Unidos, um dos principais aliados da França.

“Quando se é muito repressivo, a situação pode piorar”, estimou na terça-feira (8) Sam Brownback, emissário dos Estados Unidos para a liberdade religiosa.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes