Gêmeas siamesas foram separados graças a impressora 3D

Impressões 3D estão aos poucos se tornando algo bastante valioso para a medicina. Não somente cientistas podem reproduzir partes do corpo, mas também podem usar a tecnologia para ajudá-los a guiar cirurgias de alto risco de vida. Um caso que aconteceu na semana passada, por exemplo, é um claro momento em que a inovação ajuda os profissionais da saúde.

Nascidas em 11 de abril, Adeline e Knataly Mata, da cidade de Lubock no Texas, vieram ao mundo com os corpos praticamente fundidos um ao outro, desde o peitoral até a pélvis. Apesar disto, as bebês sobreviveram e os médicos tentaram buscar uma alternativa de como separá-los da forma mais segura possível. Sabendo da complexidade do procedimento, ao invés de contarem apenas com os equipamentos de escaneamento comum e os bisturis, a equipe resolveu inovar.

A partir dos exames das crianças, os médicos criaram uma réplica da região que teria de ser dividida pela utilização de uma impressora 3D. A réplica do corpo é perfeita e permite um estudo muito mais detalhado antes de entrar na sala de cirurgia. Dessa forma, eles puderam perceber que o coração delas não era compartilhado, embora seus fígados sim. Por conta disso, foi possível assumir que era viável realizar a divisão.

siamesas-impressora-3d-2-061215

As imagens foram então foram utilizadas para fabricar ambos estruturas e órgãos. No primeiro caso, uma resina de plástico duro foi utilizada, enquanto os órgãos mais macios foram impressas a partir de um material semelhante a borracha. A equipe também imprimiu os fígados separadamente, usando uma resina branca para destacar os grandes vasos. As réplicas foram feitas de tal forma que podem ser montadas juntas ou isoladas.

Dez meses após o nascimento dos gêmeos, uma equipe de mais de 26 médicos, dos quais 12 eram cirurgiões, reuniram-se para realizar a tarefa de separação que no total levou mais de um dia para se completar. Para alívio do grupo, os modelos acabaram sendo uma representação notavelmente precisa da anatomia real dos bebês, assim, os seus preparativos e simulações com base nas réplicas tiveram resultados positivos.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up