Funcionários da Embraer de Botucatu são surpreendidos com anúncio de PDV

A Embraer anunciou, nesta segunda-feira (8), a abertura de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) em suas fábricas no Brasil. Em Botucatu além do anúncio,  alguns funcionários foram remanejados para outros setores. A empresa ainda não deu detalhes sobre a medida, mas o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (filiado à CSP-Conlutas) vai questioná-la em uma reunião já marcada para esta quarta-feira (10), às 15h.

De acordo com comunicado feito por supervisores aos trabalhadores, a Embraer quer economizar US$ 200 milhões com o PDV e outras medidas anunciadas. Este é exatamente o mesmo valor provisionado pela Embraer para pagamento de uma possível multa referente ao caso de propina que está sendo investigado pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro e denunciado em 2010 pelo Departamento de Justiça do governo dos Estados Unidos.

O provisionamento de US$ 200 milhões está registrado no balanço do 2º trimestre deste ano, publicado pela Embraer.

Delação premiada
Um depoimento concedido em abril pelo gerente da Área de Defesa da Embraer, Albert Philip Close, ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro revela que a cúpula da empresa teria autorizado o pagamento de propina a uma autoridade da República Dominicana para garantir a venda de oito aviões Super Tucano àquele país.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos ressalta que não apoia o PDV ou qualquer outra medida que penalize os trabalhadores.

“A Embraer não pode jogar a conta desse caso de corrupção nas costas dos trabalhadores. É preciso que a denúncia seja minuciosamente investigada e que, se o crime for comprovado, os responsáveis sejam punidos e os prejuízos ressarcidos. Mais uma vez vemos os trabalhadores pagando por casos de corrupção, tanto em empresas públicas quanto privadas”, afirma o vice-presidente licenciado do Sindicato dos Metalúrgicos, Herbert Claros da Silva.

Fonte: SindMetal

 

Scroll Up