França tem protesto contra passe de saúde exigido em museus e cinemas

Centenas de pessoas protestaram em Paris, nesta quarta-feira, contra a exigência de um passe de saúde para realização de algumas atividades e contra a vacinação obrigatória para profissionais de saúde, no momento em que o governo busca conter uma quarta onda de infecções por Covid-19 na França.

A partir desta quarta-feira, as pessoas que forem a museus, cinemas ou piscinas públicas na França terão a entrada negada se não puderem apresentar o passe de saúde que comprove que foram vacinadas contra a Covid-19 ou um teste negativo recente.

Alguns dos manifestantes agitavam faixas que diziam “Liberdade de escolha” e “Tire as mãos da minha imunidade natural!”

“Eles querem nos forçar a ser vacinados a qualquer preço. Não, não, não”, disse Nathalie Labedade, uma trabalhadora em lares de idosos, à Reuters.

O passe de saúde, antes exigido apenas para festas de grande porte ou festas, também será necessário a partir do início de agosto para ingressar em restaurantes e bares e para viagens de trem e avião de longa distância.

No Museu do Louvre, em Paris, o chefe da segurança, Servane de Landsheer, disse que a primeira manhã de checagem do passe de saúde correu bem, com a maioria dos visitantes tendo o documento e aqueles que não tinham concordando em fazer um teste rápido de Covid.

“Eu fiquei com muita raiva… Não fazia ideia”, disse Nelly Breton, de 51 anos, após ser rejeitada no Louvre, pois não havia passado tempo suficiente desde sua vacinação para que seu passe fosse válido.

“Mas então me acalmei e entendi que havia motivos de saúde”, declarou, acrescentando que procuraria uma farmácia para fazer um teste rápido de Covid.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up