França tem 874 carros queimados durante comemoração de Ano Novo

Um total de 874 carros foram incendiados durante as celebrações de Réveillon na França, informou a polícia. A queima de carros se tornou efetivamente um evento anual nos subúrbios franceses desde os tumultos em 2005 em várias cidades. No entanto, o Ministério do Interior disse que o número é muito menor do que em 2019, devido às restrições relacionadas ao coronavírus em vigor.

As autoridades também relataram um aumento no número de pessoas detidas e detidas.

Cerca de 95 mil policiais e gendarmes foram mobilizados durante as recentes celebrações do Ano Novo, noticiou a mídia francesa – incluindo 32 mil bombeiros e equipes de segurança. Em Paris, onde as máscaras foram tornadas obrigatórias novamente, 779 pessoas foram multadas por não usarem máscara.

Mas com as restrições relacionadas ao coronavírus em vigor, esse número é menor do que nos anos anteriores, de acordo com o ministro do Interior, Gérald Darmanin.

Um total de 1.316 carros foram incendiados em 2019, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo Ministério do Interior neste sábado. No entanto, mais pessoas foram levadas para serem interrogadas do que nos anos anteriores, com 441 em comparação com 376 em 2019.

Não há informações sobre carros queimados no ano passado por causa de um bloqueio nacional em 2020, durante a pandemia do coronavírus.

Como muitos países, a França vê carros pegando fogo durante o ano por muitos motivos, incluindo gangues que escondem pistas de seus crimes e pessoas fazendo reivindicações de seguros falsas. Mas a queima de automóveis deu um novo passo na França ao se tornar uma forma de marcar a chegada do Ano Novo. A prática supostamente começou para valer entre os jovens – geralmente em bairros pobres – na década de 1990, na região ao redor de Estrasburgo, no leste da França.

E foi em Estrasburgo que 31 pessoas foram detidas para interrogatório depois que veículos e latas de lixo pegaram fogo. Seis dos interrogados eram menores que violaram o toque de recolher, enquanto o restante estava ligado a um suposto incêndio criminoso, de acordo com autoridades em Estrasburgo, que também confirmaram que quatro policiais sofreram ferimentos leves.

Apesar das restrições ao coronavírus, no departamento de Yonne, no centro da França, as autoridades disseram que uma festa ilegal com 1.500 pessoas ainda estava em andamento no sábado ao meio-dia, hora local, com as forças policiais no local tentando controlar a situação, disseram as autoridades em um comunicado.

Uma investigação será aberta por “organização ilegal de uma reunião musical festiva”, acrescentou o comunicado.

Fonte: G1