França corre risco de impasse após Macron receber Parlamento dividido

O presidente da França, Emmanuel Macron, enfrentou nesta segunda-feira pedidos para que sua primeira-ministra renuncie, e dúvidas pairavam sobre sua capacidade de governar de forma decisiva depois que seu campo político perdeu a maioria parlamentar.

O grupo de centro de Macron está sob pressão para garantir o apoio de rivais para salvar a agenda de reformas de Macron após as eleições do fim de semana proporcionarem um Parlamento dividido. Se fracassar, a França poderá encarar um longo período de paralisia política.

Macron convidará todos os partidos políticos capazes de formar um grupo no novo Parlamento para conversas na terça e quarta-feira, disse uma fonte próxima a Macron nesta segunda-feira.

A perda da maioria absoluta de sua aliança Ensemble é um revés doloroso para Macron, que ganhou um segundo mandato há apenas dois meses. Os governos franceses há muito confiam em uma câmara baixa do Parlamento que compartilha sua linha política e em grande parte carimba suas propostas.

“Precisamos pensar em uma nova maneira de funcionar em nível institucional”, disse o ministro de Assuntos Europeus, Clement Beaune, um aliado próximo do presidente francês, à televisão LCI.

A votação do segundo turno de domingo deixou o Ensemble como o maior partido, com uma aliança de esquerda incipiente em segundo lugar, a extrema-direita mais forte do que nunca e os conservadores como um potencial fator decisivo.

“Vai ser complicado”, afirmou a porta-voz do governo Olivia Gregoire à rádio France Inter. “Nós vamos ter que ser criativos.”

Macron agora precisa formar uma coalizão mais ampla ou aceitar liderar um governo minoritário que negocie com os oponentes projeto por projeto. Seu único consolo: os próprios grupos de oposição são rivais ferrenhos e, em alguns casos, rachados por divisões internas.

“Um Parlamento tão fragmentado provavelmente resultará em um impasse político, com uma agenda de reformas muito mais lenta”, disse Philippe Gudin, do Barclays.

“Isso provavelmente enfraquecerá a posição da França na Europa e colocará em risco a posição fiscal do país, que já está fraca.”

Figuras de extrema-esquerda e extrema-direita exigiram que a primeira-ministra Elisabeth Borne renuncie após pouco mais de um mês no cargo.

Gregoire disse que Macron em breve reformulará seu governo.

A ampla aliança de esquerda Nupes de Jean-Luc Mélenchon e a extrema-direita de Marine Le Pen prometeram pressionar Macron e seu governo implacavelmente no Parlamento.

Uma das questões-chave é se Macron tentará fazer um acordo com os conservadores Les Republicains (LR) ou seguirá a rota do governo minoritário.

O chefe do Les Republicains, Christian Jacob, afirmou que o partido permanecerá na oposição. Mas enquanto ele descreveu a posição como “quase unânime”, alguns membros proeminentes indicaram que o partido deveria cooperar com o governo e agir como peça influente.

O Ensemble e os conservadores têm plataformas econômicas compatíveis, incluindo apoio a uma idade de aposentadoria mais alta e energia nuclear. Juntos, eles teriam maioria absoluta.

Fonte: Yahoo!