Familiares de desaparecidos em naufrágio de pesqueiro no Canadá pedem retomada das buscas

Familiares dos doze desaparecidos no naufrágio de um pesqueiro espanhol em águas canadenses, protestaram neste domingo(20) para pedir a retomada das buscas pelos seus corpos.

Ele se reuniram no centro de Marín, uma vila pesqueira da Galiza (noroeste de Espanha), onde o navio estava ancorado.

Muitos exibiam fotografias dos desaparecidos. “Há doze desaparecidos. Foi uma tragédia muito grande. Por favor, retomem as buscas agora”, disse María José del Pozo, cujo pai é um dos desaparecidos.

Ela disse ainda que os familiares dos marinheiros viajarão esta semana a Madrid para apresentar o caso ao primeiro-ministro, Pedro Sánchez. No entanto, o seu gabinete anunciou que ele viajará para a Galiza na segunda-feira.

Quando o “Villa de Pitanxo” afundou na costa leste do Canadá (Terra Nova), havia 24 pessoas a bordo. Os socorristas resgataram três sobreviventes e recuperaram nove corpos.

O serviço de resgate canadense encerrou as buscas na quarta-feira, depois de realizar uma operação “exaustiva” de 36 horas em meio a condições climáticas muito difíceis. Eles percorreram cerca de 3.100 km2.

Os manifestantes fizeram fila para assinar uma petição exigindo uma busca pelos desaparecidos. Cerca de 70.000 pessoas assinaram até agora.

O ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel Albares, disse na sexta-feira que pediu à sua colega canadense, Melanie Joly, que seu país retome as buscas quando o tempo melhorar.

A bordo do navio estavam 16 espanhóis, cinco peruanos e três ganenses.

Devido às temperaturas geladas da água e mar agitado, é considerado quase impossível encontrar mais sobreviventes.

Um avião da Força Aérea Espanhola voou para o Canadá neste domingo para repatriar os três sobreviventes, dois espanhóis e um ganense, e cinco dos nove corpos recuperados, informou o governo em comunicado. Os outros corpos serão repatriados para o Peru, acrescentou.

Este avião deverá retornar a Espanha na segunda-feira, quando o país cumprirá um dia oficial de luto pelas vítimas do naufrágio.

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, estará presente quando a aeronave aterrissar por volta das 18h00 locais no aeroporto de Santiago de Compostela, capital da Galiza, informou o seu gabinete.

Após o resgate, os três sobreviventes – encontrados em um bote salva-vidas sofrendo de hipotermia – permaneceram em silêncio a maior parte do tempo.

“Como você acha que estamos? Ponha-se no meu lugar. Quando eu chegar na Espanha falarei com as famílias”, confidenciou um deles, o capitão do barco de pesca, Juan Padín, do hotel onde estão hospedados, no porto canadense de St. John’s, segundo o jornal espanhol ABC.

O pesqueiro afundou cerca de 250 milhas náuticas (463 km) a leste da ilha de Newfoundland, uma área onde os navios espanhóis e portugueses pescam com frequência.

Fonte: Yahoo!