Ex-lado oriental da Alemanha ainda está atrás de lado ocidental 31 anos após unificação

A economia do antigo lado oriental da Alemanha ainda está atrás daquela do lado ocidental, e um terço das pessoas que moram ali se sentem cidadãos de segunda classe, de acordo com um relatório anual sobre o estado da unificação apresentado nesta quarta-feira.

O Produto Interno Bruto (PIB) per capita em 2020 foi de 32,422 euros no antigo lado oriental, incluindo a antes dividida capital Berlim, e de 41,940 euros do lado ocidental.

Isto representou uma queda de 3,8% do antigo lado oriental durante o ano dominado pela pandemia de coronavírus e de 5,1% do lado ocidental, enquanto o desemprego médio foi de 7,6% do lado oriental e de 5,6% do lado ocidental.

O relatório disse que um terço dos orientais se sentem cidadãos de segunda classe –eles são um quarto do lado ocidental–, e muitas pessoas do lado oriental são mais críticas e céticas a respeito da política e da democracia.

O partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) capitaliza a economia mais fraca e o desencanto com partidos políticos tradicionais para criar um bastião forte na antiga Alemanha Oriental.

Isto faz desta parte do país uma área de interesse antes da eleição nacional de setembro, mas os conservadores da chanceler Angela Merkel massacraram o AfD no mês passado na Saxônia-Anhalt, Estado do leste alemão.

Marco Wanderwitz, comissário do governo para o antigo lado oriental, disse ainda existir um “sentimento de desvantagem coletiva”, apesar de décadas de subsídios do governo para reconstruir a região.

“Não podemos e não devemos aceitar um distanciamento da sociedade”, disse Wanderwitz.

Fonte: Yahoo!