EUA pedem à OEA que tome medidas para garantir democracia na Nicarágua

Os Estados Unidos solicitaram nesta terça-feira à Organização dos Estados Americanos (OEA) que tome medidas para exigir uma mudança democrática na Nicarágua, a um dia de uma reunião do órgão executivo do bloco regional que tratará do assunto.

Juan González, encarregado de assuntos latino-americanos no Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, pediu que se vá além da “condenação e preocupação” já expressa sobre o que está acontecendo no país centro-americano.

“Deve haver uma ação clara dos governos da região para exigir uma mudança democrática”, disse o alto funcionário do governo do presidente Joe Biden na abertura da 25ª conferência anual da Corporação Andina de Fomento (CAF).

González garantiu que os Estados Unidos “certamente” aumentarão a pressão econômica e política sobre o governo de Daniel Ortega, que Washington acusa de autoritarismo e repressão contra opositores.

Porém, observou que “o mais importante é que haja uma resposta contundente da comunidade internacional para que qualquer ator antidemocrático, e em particular a Nicarágua, seja marginalizado como deveria. Isso é mais eficaz do que sanções unilaterais”.

Desde junho, 37 opositores foram detidos na Nicarágua, incluindo sete pré-candidatos à presidência nas eleições de 7 de novembro, em que Ortega, no poder desde 2007, busca o quarto mandato consecutivo.

A pedido do Canadá e do Chile, os 34 membros ativos do Conselho Permanente da OEA estão convocados para analisar a crise política na Nicarágua durante uma sessão virtual nesta quarta-feira.

González disse estar “otimista” sobre a aprovação de um instrumento para abordar a questão.

Os Estados Unidos patrocinam, junto com Antígua e Barbuda, Canadá, Chile, Costa Rica, Equador, Paraguai e Uruguai, uma resolução que pede a libertação “imediata” de todos os detidos por motivos políticos e exorta “veementemente” o governo Ortega a realizar as reformas necessárias para realizar eleições “livres, justas e transparentes”.

O texto alerta que a OEA pode tomar “outras ações em conformidade com a Carta da Organização dos Estados Americanos e a Carta Democrática Interamericana, incluindo uma análise das eleições” na Nicarágua, durante a próxima assembleia anual da OEA, que ocorrerá na Guatemala entre 10 e 13 de novembro.

O governo Ortega rejeitou “categoricamente” esta reunião “ilegítima” da OEA.

“É inadmissível que um ou mais Estados, em violação aberta do princípio da autodeterminação dos povos e da não intervenção nos assuntos internos de outras nações, julguem a outro povo livre”, declarou a chancelaria nicaraguense em um comunicado.

No início de outubro, cerca de 15 senadores democratas e republicanos dos Estados Unidos pediram ao governo Biden que sancionasse Ortega e considerasse ilegítimas as próximas eleições.

Também solicitaram que seja avaliada a suspensão da Nicarágua da OEA e revisada a participação do país no Tratado de Livre Comércio entre os Estados Unidos, a América Central e a República Dominicana (CAFTA-DR).

Fonte: Yahoo!

Últimas

Botucatu: Obituário 7 de dezembro

07 dez 2021

Aurora Lopes de Andrade – 85 anos Sepultamento 07/12/21 às 15h no Cemitério Jardim Velório Complexo...

Categorias

Scroll Up