EUA avançam em discussão indireta com Irã sobre sanções que poderiam ser suspensas

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Os Estados Unidos começaram a compartilhar com o Irã “exemplos” de sanções que estão prontos para suspender para salvar o acordo nuclear com o Irã, sem ainda chegar a um entendimento sobre esta questão chave das negociações de Viena, disse uma autoridade americana nesta quarta-feira.

“Desta vez, demos mais detalhes, fornecemos ao Irã uma série de exemplos de sanções que acreditamos que deveriam ser suspensas para retornar” ao acordo, do qual o ex-presidente Donald Trump retirou Washington, informou o funcionário a repórteres em uma nova pausa nas discussões indiretas com Teerã e os outros signatários do texto de 2015.

“Demos muitos exemplos a eles (…) Acho que agora eles têm uma visão bastante clara do que pensamos serem as sanções que teremos de suspender e aquelas que não iremos suspender”, acrescentou.

O funcionário americano não quis confirmar ou negar a informação do jornal americano The Wall Street Journal, que indicava que a delegação americana teria demonstrado interesse em levantar as sanções impostas pelo governo Trump, fundamentadas a partir de acusações de terrorismo, contra os setores financeiro e petroleiro do Irã.

Ele se limitou a dizer que havia uma terceira categoria de “casos difíceis”: sanções impostas pelo ex-presidente não diretamente ligadas ao programa nuclear iraniano, mas “com o único objetivo de impedir” Joe Biden de retornar ao acordo.

Trump retirou os Estados Unidos em 2018 do acordo que deveria impedir o Irã de ter a capacidade de armar uma bomba atômica, e retomou e depois endureceu todas as sanções americanas ao país.

Seu sucessor, Joe Biden, disse estar pronto para voltar ao acordo se Teerã também reverter às restrições nucleares que começou a romper em resposta às sanções.

Desde o início de abril, negociações indiretas ocorreram em Viena entre representantes dos estados que ainda fazem parte do acordo (Irã, China, Rússia, França, Alemanha, Reino Unido), por um lado, e os Estados Unidos, por outro.

A última sessão terminou na terça-feira e as negociações estão programadas para retomar na próxima semana.

França, Reino Unido e Alemanha saudaram o diálogo “construtivo” e “a participação positiva de todas as partes” nesta quarta-feira.

“Fizemos progressos, mas ainda há muito a fazer”, afirmaram diplomatas dos três países europeus co-signatários do acordo de 2015, encorajando “todas as partes a aproveitarem a oportunidade diplomática”.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes