EUA, Arábia Saudita, EAU e Reino Unido pedem restauração de governo civil no Sudão

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que têm laços estreitos com os militares do Sudão, se juntaram a Estados Unidos e Reino Unido, nesta quarta-feira (3), em um apelo à “restauração imediata” do governo civil no país africano, após um golpe militar.

“Pedimos a restauração completa e imediata do governo de transição liderado por civis e suas instituições”, diz um comunicado conjunto publicado pelo Departamento de Estado americano.

“Apoiamos a libertação de todos os detidos em conexão com os acontecimentos recentes, e a suspensão do estado de emergência”, acrescenta o documento.

Os quatro países também afirmaram que a “violência não tem lugar no novo Sudão” e instaram todas as partes a realizarem um “diálogo efetivo”, no qual “a paz e a segurança do povo sudanês seja a prioridade principal”.

Na semana passada, o general Abdel Fattah al-Burhan dissolveu o governo transitório, declarou o estado de emergência e deteve líderes da sociedade civil, acabando com o frágil processo de transição à democracia.

Além disso, as manifestações da oposição no último sábado foram reprimidas pelas forças comandadas pelos militares sudaneses, e terminaram com um saldo de três mortes e quase 100 feridos.

Funcionários do governo americano assinalaram que os Emirados Árabes Unidos têm uma influência particular no Sudão. Contudo, uma ausência notável do comunicado é o Egito, que tem fronteira com o Sudão e é acusado por alguns observadores de apoiar os militares golpistas.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up