Sapatinhos de salto alto para bebês geram polêmica nos EUA

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Já se passaram dez meses desde que uma marca americana lançou um sapato de salto alto para bebês. Mas os consumidores ainda não se acostumaram com a ideia.

Pais que acham uma “graça”, “fofo” e “bonitinho”, de um lado, defendem o direito de apresentarem seus filhos da maneira que querem. Do outro lado, há famílias que acham um abuso estimular o “erotismo” em bebês de colo.

O salto da marca Pee Wee Pumps é macio, e as crianças na idade indicada (de zero a seis meses) não andam. Então, o sapatinho tem efeito basicamente estético.

Os modelos são ousados. O chamado “Glamuroso”, por exemplo, tem estampa de oncinha lilás. O “Diva” é preto com bolinhas brancas na parte de dentro. Já o “Atrevido” é vermelho, com estampa clássica de oncinhas dentro.

Todos custam US$ 29,99 (cerca de R$ 115) e estão à venda no site da marca.

Nas redes sociais, a novidade motiva comentários que vão desde “tão engraçadinho!” e “preciso ter uma menina!” até “nojento”, “longe demais” e “misericórdia”.

Diante das críticas, a dona da Pee Wee Pumps afirma que é, “acima de tudo, mãe”. “Nunca colocaria um bebê em perigo”, afirma Michele Holbrook àFolha.

“Os sapatos não devem ser usados enquanto a criança anda, brinca ou dorme. Servem apenas para uma foto divertida, fofa e fashion.”

GÊNERO

Mesmo assim, o uso de artigos tão explicitamente femininos nessa faixa etária pode trazer complicações futuras, alerta a professora de psicologia Catherine Tamis-LeMonda, da NYU (Universidade de Nova York).

Ela explica que uma criança se conscientiza de seu sexo, em geral, depois dos dois anos de idade. A partir de então, é natural que queria se comportar como tal.

Mas a “rigidez” da infância tende a ser “flexibilizada” na adolescência, e meninas passam a perceber que não precisam, por exemplo, só vestir roupas cor-de-rosa.

O problema, diz, é quando essa rigidez perdura. Esse tipo de reação é um dos fatores de desordens alimentares (como anorexia), depressão e baixa autoestima.

“A fixação com a aparência, com determinado padrão de beleza, alimenta muitos problemas de comportamento. Como sociedade, não deveríamos enfatizar o quão importante é ser sexy de salto alto, muito menos tão cedo”, ressalta a professora.

Fonte:Folha

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes