Depressão e frio: Por que a doença tem relação com as baixas temperaturas

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A depressão é um transtorno mental bastante conhecido, sendo suas principais causas a herança genética e a ocorrência de eventos traumáticos. Mas esses não são os únicos fatores que podem contribuir para desencadear a doença, que é denominada o “mal do século”. As baixas temperaturas também atuam neste sentido, especialmente quando há mudanças climáticas bruscas.

Frio altera rotina de exercícios e aumenta risco de depressão

“Fatores físicos como baixas temperaturas também são de risco para alterar o funcionamento de áreas cerebrais relacionadas ao controle do humor, podendo produzir queda no funcionamento destas regiões e, consequentemente, o aparecimento de sintomas depressivos”, explica o psiquiatra Diego Tavares.

Nos períodos mais frios do ano a movimentação física tende a baixar por conta de alterações na rotina habitual de exercícios físicos. “Todavia, essa depressão de inverno normalmente não ocorre em países tropicais como o Brasil, porque as variações de temperatura entre as estações do ano são brandas. Os pacientes mais próximos dos pólos sofrem com variações mais abruptas”.

Baixa luminosidade do inverno também contribui para depressão

Segundo o médico, além da mudança abrupta de temperatura, a baixa luminosidade nos períodos de inverno é outro fator que leva ao desligamento de áreas relacionadas ao humor, energia e impulsos responsáveis pelo aparecimento dos sintomas depressivos clássicos, como falta de energia, ausência de vontade e lentidão do pensamento.

“A baixa luminosidade é detectada por áreas do cérebro como hipotálamo e pineal, que são importantes na regulação dos ciclos biológicos do organismo. É válido lembrar que a depressão ocorre em duas doenças principais na psiquiatria, o transtorno depressivo maior e o transtorno bipolar, e as depressões sazonais, que são associadas às variações nas estações do ano, aumentam o risco de bipolaridade quando presentes”.

Dr. Diego Freitas Tavares é psiquiatra e pesquisador do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP. CRM-SP: 145258

Fonte: Cuidados pela Vida

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes