Este seria o rosto de uma múmia com 2 mil anos

A tecnologia 3D é mesmo incrível, além de possibilitar experimentos históricos como este, ainda pode ajudar a salvar vidas, como caso da tartaruga que perdeu o casco em um incêndio e ganhou um feito em uma impressora 3D, histórias contemplando a nova tecnologia não faltam, mas  essa é mais uma para impressionar.

De acordo com Richa Malhotra, do portal Live Science, o crânio egípcio (mumificado) foi descoberto por um grupo de cientistas entre os artefatos de uma coleção da Universidade de Melbourne, na Austrália. Entretanto, como a peça parecia não estar em muito bom estado, a equipe decidiu fazer uma tomografia computadorizada do item.

Segundo Richa, o exame revelou que, na verdade, o crânio se encontrava surpreendentemente bem preservado — e os cientistas decidiram continuar “brincando” com o artefato. Com base nas imagens obtidas através da tomografia, o time imprimiu uma réplica tridimensional do crânio e, a partir daí eles determinaram uma porção de coisas a respeito da múmia.

Depois de avaliar diversas características dos ossos da face — incluindo o ângulo do maxilar e as orbitas dos olhos —, os pesquisadores concluíram que o crânio pertencia a uma mulher que provavelmente não passava dos 25 anos de idade quando morreu, isso há pelo menos 2 mil anos. Os cientistas também concluíram que a jovem foi alguém importante o suficiente para ser mumificada, e batizaram a coitada de Meritamun.

Fonte: Yahoo!