Zé Roberto diz que para no fim do ano e põe Libertadores como meta

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Zé Roberto já tomou uma importante decisão sobre o seu futuro como atleta profissional: a temporada de 2016 será a última da sua carreira. Aos 41 anos, o lateral-esquerdo do Palmeiras fez o anúncio durante entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, na Academia de Futebol.

Questionado sobre suas condições físicas para enfrentar a sequência de jogos do Verdão, o atleta falou sobre uma reunião com a comissão técnica durante a pré-temporada.

– Sempre sonhei em ser um jogador de futebol. Esse amor ainda continua ardendo muito dentro de mim. Sei que nossa vida é feita de escolhas e metas. A maioria foi alcançada. No ano passado, se eu tivesse decidido parar de jogar, com certeza ia parar muito feliz por tudo o que conquistei. Mas decidi jogar mais este ano pelos desafios que eu sempre tracei. Queria até aproveitar esta oportunidade para deixar uma coisa clara que este será meu último ano. No ano que vem quero curtir um pouco e ter mais tempo com a minha família – disse Zé Roberto.

– Tive uma conversa clara com a comissão que, pelo calendário, não seria possível jogar todos os jogos. Não sou máquina. Nem o Batman ia aguentar o calendário brasileiro – brincou.

Empolgado com a possibilidade de conquistar a Libertadores, o capitão do Verdão negou qualquer chance de antecipar aposentadoria para depois da disputa continental. Ele sonha com uma conquista inédita na vitoriosa carreira.

– Meu pensamento é cumprir o contrato com o Palmeiras, até porque, se não acontecer o título na Libertadores, vamos ter o Brasileiro. Meu pensamento é de terminar o ano jogando pelo Palmeiras – afirmou Zé Roberto, que tem contrato com o Verdão até dezembro.

– Seria um título muito importante pelo momento que vivo no clube. Minha identificação foi muito rápida. Não deu nem seis meses e a torcida gritava “au, au, au, Zé Roberto é animal”. Não é normal. Por mais que, a cada jogo, eu procure retribuir o carinho me dedicando ao máximo, o título é sempre diferente, ainda mais pela expressão da Libertadores. É o título que falta na minha carreira – completou.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes