Por coronavírus, Ferrari quer garantia da FIA às equipes para viagem segura ao GP da Austrália

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A Ferrari demonstrou preocupação com a logística de todas as equipes da Fórmula 1 por causa do coronavírus. Chefão da escuderia italiana, Mattia Binotto pediu à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) que assegure que as condições sejam ideais para que a viagem para o Grande Prêmio da Austrália, no dia 15 de março, seja segura.

Para Binotto, há o risco de que funcionários não possam viajar, ou ainda que eles tenham que ficar em quarentena na chegada. Membros da equipe tiveram dificuldades para chegar no Barein, onde serão realizados testes da Fórmula 2 – o chefão da Ferrari teme que o mesmo possa acontecer na F1:

– (Chegar) aos testes (da F2) foi muito difícil. Alguns engenheiros que iriam ficaram em casa e não encararam o risco. Acho que o que precisamos é simplesmente ter as garantias antes de sair. Não acho que podemos descobrir qual a situação e o que podemos fazer só quando chegarmos lá – disse Binotto.

O chefe da escuderia italiana disse que as equipes têm que saber quais serão as consequências de problemas que possam vir a surgir, e que a prioridade é proteger os empregados.

Na manhã desta sexta-feira (28), as equipes se reuniram com Chase Carey, CEO da Fórmula 1, durante os testes de pré-temporada em Barcelona. No momento, as corridas estão mantidas, mas a situação ainda pode mudar.

Um dos problemas enfrentados pela Fórmula 1 é em relação às sedes das equipes: Ferrari e Alpha Tauri têm raízes na Itália, que vê os casos do vírus crescerem. A americana Haas e a suíça Alfa Romeo também estão recebendo ajuda da Ferrari nesse sentido. Binotto mostrou preocupação:

– Eu digo que não são só dois times, porque estamos dando assistência à Haas e à Alfa Sauber (Alfa Romeo). Então, são quatro times, no mínimo, mais a situação da Pirelli (fabricante de pneus italiana) que temos que entender. Qual vai ser a situação se quatro times não puderem ir à corrida, ela vai acontecer ou não? Não é decisão minha – concluiu Binotto.

O coronavírus teve epicentro na cidade de Wuhan, na China, e já se espalhou por 50 países. No país asiático, são mais de 78 mil casos confirmados e 2 mil mortes. A Itália vem se tornando um novo foco da epidemia e já tem 888 casos confirmados (até o momento da publicação desta matéria), com 21 vítimas fatais.

Com isso, vários eventos esportivos por todo o mundo foram cancelados, incluindo o Grande Prêmio da China, que seria realizado em abril. As provas da Austrália, Barein e Vietnã estão sob avaliação.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes