Peres torce por permanência de Sampaoli no Santos em 2020

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O tema “multa do técnico Jorge Sampaoli” foi bastante comentado no Santos nas últimas semanas, ainda que as informações circuladas tenham sido inconclusivas se o clube tirou ou não, de fato, a cláusula de rescisão do argentino. O próprio treinador e o superintendente de futebol Paulo Autuori se esquivaram quando perguntados. O argentino chegou a falar em “pacto de confidencialidade”.

Mas, na noite desta segunda-feira, em entrevista à Rádio Bandeirantes, o presidente José Carlos Peres afirmou que o técnico só deixará o clube, se esta for sua escolha ao fim da temporada, com o pagamento previsto em contrato. Nos bastidores, circulava-se que seria algo em torno de R$ 10 milhões e que Sampaoli teria pedido a retirada desta cláusula, o que poderia facilitar sua saída em janeiro.

– Sem dúvida (tem de pagar a multa). Tem um prazo e dentro desse prazo tem de pagar. Não tem como. Tem que cumprir o contrato. Isso foi uma decisão não só nossa, como também do próprio técnico. Que tivesse uma multa para que todo mundo tenha segurança – disse Peres.

Ainda assim, com multa ou não, o presidente tem a esperança que Sampaoli permaneça no Santos na próxima temporada.

– Não estamos preocupados nesta questão de multa com o Jorge Sampaoli porque nós temos o interesse muito grande que ele continue na equipe. Ano que vem é para ser campeão, ter uma performance melhor ainda. É nisso que nós apostamos. E eu entendo que ele possa ficar com a gente, sim – afirmou o mandatário.

Em entrevistas nos últimos dias, Sampaoli, além de fazer críticas à diretoria, deixou o futuro no Santos em aberto. O argentino tem contrato com o clube até o fim de 2020. Peres e Autuori já deixaram claro que o Peixe não terá condições de fazer grandes investimentos no ano que vem.

– Como expliquei da última vez: como cidadão me encantaria estar aqui. Como profissional também preciso ser responsável nas minhas decisões, porque se não duro quatro partidas. E tudo isso termina muito rápido. No futebol ninguém tem memória. Ninguém tem memória. Ninguém. Acredito que os meios de comunicação se encarregam de fazer com que isso nos aconteça. Por isso as vezes todos querem já, de imediato. Como aconteceu com o técnico do Corinthians (Fábio Carille, demitido no domingo). Um contágio negativo, de energia negativa a todo tempo, deu no que aconteceu. Não vai mudar. Não há como revolucionar condições estabelecidas – afirmou o argentino.

Sampaoli é um dos quatro técnicos remanescentes no cargo desde o início do Brasileirão. Além dele, Renato Gaúcho, do Grêmio, Roger Machado, do Bahia, e Tiago Nunes, do Athletico, também seguem empregados no mesmo clube desde o começo da competição.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes