Fiscais da Stock Car são acusados de manipular punições da categoria

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Suspeitas sobre a isenção que os comissários da Stock Car possuem ao atuar na aplicação de irregulares que pilotos e equipes possam apresentar foram levantadas nesta segunda-feira. Em matéria publicada pela Folha de S. Paulo, são reveladas conversas dos fiscais que indicaram punições sumárias e sem a aplicação de um critério imparcial.

Os comissários, por definição, têm duas funções; os técnicos são encarregados de preparar relatórios onde podem apontar problemas e irregularidades que os competidores tenham de acordo com o regulamento. A partir desse registro, sanções como perda de pontos e desclassificação de corridas podem ser aplicadas, tarefa que cabe aos comissários desportivos.

As conversas flagradas informam os fiscais falando sobre punir pilotos como Cacá Bueno em tom de brincadeira e deboche, o que deixa o aspecto da isenção em dúvida. “Vamos desclassificar ele por alguma coisa na próxima etapa…”, teria dito o auxiliar de comissário Paulo Ygor Dias em conversa pelo aplicativo de mensagens WhatsApp.

“Na minha época o Cacá foi vice em 3 vezes porque eu não estava a fim de deixar ele ser campeão”, enviou Clóvis Matsumoto ex-fiscal da categoria, seguido por mensagens de risadas.

CBA se defende sobre acusação, mas admite que irá investigar

Ouvida no caso, a Confederação Brasileira de Automobilismo, a CBA, se manifestou com o diretor Nelson Valduga, admitindo que as suspeitas são gravíssimas, e uma investigação será feita para que a situação seja esclarecida. No entanto, não deixou de ser frisado que algo assim vai além do poder dos comissários técnicos, que não podem fazer nada além de fiscalizar se o regulamento está sendo seguido corretamente.

Matsumoto, se defendendo das mensagens flagradas, afirmou que tudo foi dito em tom de brincadeira, e que não existe a possibilidade de inventar punições para pilotos de maneira arbitrária ou por motivações pessoais, garantindo que nunca viu algo do tipo acontecer desde 2002, quando estreou no cargo.

Cauteloso, Valduga crê que uma manipulação no resultado das corridas só caberia ao poder de decisão dos comissários desportivos, ao qual considera subjetivas. Entretanto, exaltou o profissionalismo de Matsumoto nos anos em que atuou na Stock Car, além de praticamente livrar Paulo Ygor de uma suposta culpa nas punições.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes