Atacante e folha salarial: prioridades do Corinthians com a grana de Pato

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O Corinthians terá reforço considerável em seus cofres nos próximos dias. O Villarreal vai pagar à vista os 3 milhões de euros (R$ 10,8 milhões) referentes à compra de 60% dos direitos econômicos de Alexandre Pato.

O Alvinegro deixa claro, porém, que o dinheiro não vai se converter em reforços para a equipe de Cristóvão Borges. Além da contratação de um atacante, a prioridade é manter em dia os compromissos dentro do clube.

Em primeiro lugar, não é o valor integral da negociação que chega aos cofres do Corinthians. Parte do dinheiro é retido pela Receita Federal – no caso do atacante, a expectativa é de 10% a 15% do valor total. Assim, o Timão receberia cerca de R$ 9,5 milhões.

Mesmo assim, a negociação dá um respiro maior ao clube justamente pela forma de pagamento – à vista, que não vem sendo comum em transferências para clubes europeus. O zagueiro Felipe, por exemplo, vai render cerca de R$ 20 milhões, mas pagos em quatro parcelas pelo Porto – só a primeira foi depositada até o momento.

A ideia do Corinthians é contratar um centroavante, a pedido de Cristóvão Borges, mas também manter a folha salarial em dia. Depois dos atrasos em direitos de imagem de parte do elenco no ano passado, a diretoria traçou como meta o cumprimento dos compromissos internos antes de qualquer reforço para o time. Em 2016, não houve qualquer atraso.

A folha do Corinthians em 2015 chegou aos R$ 10 milhões mensais, entre salários e encargos. A do time atual é entre R$ 1,5 e R$ 2 milhões menor, já sem contar Pato – que só recebeu o ordenado de julho, já que antes estava emprestado ao Chelsea.

Com todas as contas em mãos, a diretoria vai buscar um centroavante no mercado interno. A janela internacional de transferências fechou há uma semana e reduziu as possibilidades – Marco Ruben, Gustavo Bou, Nico López e Diego Tardelli foram nomes mencionados durante o período. Nenhum recebeu proposta formal.

Sem opções fora do país, são dois os focos: Série B e jogadores da Série A com menos de sete partidas disputadas. A primeira opção é mais viável, já que as alternativas que se encaixam no segundo grupo, casos de Barrios e Lucas Pratto, sequer são cogitadas por causa dos valores envolvidos. Na divisão de acesso ao Brasileirão, há nomes que agradam à diretoria. Nenhuma negociação foi aberta até o momento.

Contratado por R$ 40 milhões em 2013, Pato disputou 62 jogos e marcou 17 gols pelo Corinthians. Ele tinha contrato válido até dezembro de 2016.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes